Cinema e Séries

Festival de cinema exalta produção feminina e homenageia a atriz Zezé Motta

Mostra joga luz sobre o trabalho de diretoras na produção audiovisual

Zezé Motta durante festa de lançamento da novela 'Boogi Oogie' (Globo)
Zezé Motta durante festa de lançamento da novela 'Boogi Oogie' (Globo) - Estevam Avellar/Globo
 
Descrição de chapéu Agora
Leandro Vieira
São Paulo

Filmes de cineastas mulheres são o centro do FIM (Festival Internacional de Mulheres no Cinema), que começou nesta terça-feira (3) e vai até o dia 11. Com sessões no CineSesc e no Espaço Itaú de Cinema Augusta, a mostra joga luz sobre o trabalho de diretoras na produção audiovisual brasileira.

“Os números da presença feminina em direções de cinema sempre foram muito acanhados. Além disso, havia a necessidade de um festival que de fato representasse a produção dos filmes comandados por mulheres”, diz a idealizadora da mostra, Minom Pinho.

As sessões terão longas de ficção, entre eles “Praça Paris”, de Lúcia Murat, e “Como É Cruel Viver Assim”, de Julia Rezende. Há também documentários, como “Chega de Fiu Fiu”, que aborda o assédio contra a mulher.

O festival ainda abre espaço para produções de outros países.  O FIM faz homenagem à atriz Zezé Motta, que estará presente hoje, às 20h, no CineSesc, na abertura oficial. “Ela tem uma voz forte a favor das mulheres e do povo negro, além de ser um talento inquestionável”, explica Minom.

“Xica da Silva” (1976), filme protagonizado por Zezé, está na mostra. As sessões no CineSesc custam entre R$ 12 e R$ 20. Já as do Espaço Itaú de Cinema - Augusta são R$ 20. A programação completa, com endereços e horários, está no  site Festival Internacional de Mulheres no Cinema.

Agora
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias