Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Caleb McLaughlin como Lucas Sinclair em 'Stranger Things' Divulgação/Netflix

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Alexis Soloski
The New York Times

"Estou suando", disse Caleb McLaughlin, parecendo surpreso. "Nunca suo. No máximo, fico úmido. Um pouquinho de transpiração. Mas agora estou suando!"

Isso aconteceu em uma manhã quente de domingo no Midtown Tennis, no bairro de Chelsea, em Manhattan. McLaughlin, astro da série "Stranger Things", da Netflix, tinha acabado de passar 40 minutos treinando com Nikola Ristic, um animado instrutor profissional de tênis.

"Vou te fazer suar!", Ristic tinha prometido, com forte acento sérvio. "Sem nenhuma piedade!"

McLaughlin, 20, cresceu em Carmel, no interior do estado de Nova York, a cerca de 80 quilômetros da metrópole, e dançava, cantava e atuava no grupo local de teatro desde a adolescência. Mas também gostava muito de esporte, quando garoto, e jogava futebol americano, basquete, beisebol e tênis.

"Eu sempre achei o tênis muito terapêutico", disse McLaughlin. "Não há muito mais acontecendo na quadra, só você e um outro oponente. E adoro o barulho das bolas". Ele reconheceu que também amava o aroma das quadras de tênis, ainda que talvez não o das quadras da Midtown Tennis, que cheiravam levemente a mofo e estavam quentes demais naquela manhã.

McLaughlin tinha chegado cheio de energia e com o rosto reluzente, pouco antes das 8h, acompanhado por seguranças e vestindo uma jaqueta de agasalho Nike verde clara e calças e tênis pretos. Na noite anterior, ele tinha comparecido à estreia da nova temporada de "Stranger Things" na sede da Netflix em Brooklyn, mas ir dormir tarde não parecia ter afetado sua disposição.

O ator não entrava em uma quadra de tênis há seis anos, desde que a série começou a ser filmada, quando ele tinha 14 anos, e queria descobrir se sua técnica tinha se deteriorado.

"Tudo volta realmente rápido", Ristic disse, enquanto entregava uma raquete azul a McLaughlin. "Não há nada com que você precise se preocupar", acrescentou o instrutor, em tom confiante.

McLaughlin começou a se alongar. Ele está filmando "Shooting Stars", uma cinebiografia de LeBron James, tinha acabado de conseguir fazer sua primeira enterrada, e continuava a sentir o peso do esforço nos tendões. (McLaughlin tem apenas 1,75 metro de altura, e portanto sua façanha impressiona.)

Ristic o fez praticar uma típica devolução em "forehand" e McLaughlin obedeceu às instruções, antes de revelar, educadamente, que ele na verdade é canhoto. Mudando a raquete de mão, ele voltou a praticar –deixando a bola cair e movendo a raquete, deixando a bola cair e movendo a raquete. Depois Ristic começou com os "backhands".

"Oh, essa foi bonita", disse Ristic, elogiando seu uso das duas mãos na raquete. "Perfeita, maravilhosa. Você tem certeza de que precisa de aulas?"

"Você acha que eu poderia me tornar profissional?", perguntou McLaughlin.

"Você definitivamente tem potencial".

Ristic o instruiu a ficar de costas para a bola, e a se virar para rebatê-la só quando o treinador comandasse. Depois começou a lançar duas bolas de cada vez na direção de McLaughlin. Em seguida, eles treinaram alguns "lobs".

"É mais ou menos como dançar", disse McLaughlin, estendendo a raquete para atingir a bola com um movimento gracioso de braço. "A sensação é boa". Ele voltou a atingir a bola com o centro da raquete, produzindo o som seco que ama.

O ator não treinou muito tênis quando criança, mas, mesmo depois de tantos anos afastado do esporte, sua habilidade atlética natural o ajudou a recuperar sua técnica rapidamente. Ele parecia relaxado e confiante.

"Agora vou forçar um pouco mais as coisas", disse Ristic. "Quanto melhor você se sair, mais eu vou forçar".

Em "Stranger Things", o personagem dele, Lucas, enfrenta dificuldades muito mais temíveis do que tentar rebater duas bolas de tênis ao mesmo tempo –"demogorgons", esfoladores mentais—, armado com pouco mais que um estilingue. (Está bem, está bem: com um machado, também.) "Ele experimentou certas coisas que muitos garotos jamais experimentarão", disse McLaughlin, em tom meditativo. "Com certeza existe muito trauma envolvido no que aconteceu com ele".

Mas ainda assim, o ator se sente próximo de Lucas. "Lucas sou eu", ele disse. "Dei vida a ele. Ele é um amigo. Um irmão, uma pessoa leal. Faz tudo que pode pelas pessoas que ama".

Quando foi selecionado para o elenco da série, quase sete anos atrás, McLaughlin tinha só 13 anos, e interpretava um menino de 12. "Eu era adorável!", ele diz. McLaughlin cresceu diante das câmeras. Até o seu primeiro beijo aconteceu diante de uma câmera.

"É uma coisa de que posso me gabar", ele disse.

Mas agora McLaughlin é um homem maduro, de 20 anos, e interpreta um garoto de 15. É difícil para ele retornar ao estado de espírito de um adolescente, em algum momento? "Não, não", ele disse. "Sinto que ainda sou aquele adolescente. Não é difícil mergulhar imediatamente de volta a um comportamento mais infantil. Especialmente quando você está em companhia das pessoas com quem cresceu. Não é difícil lembrar daqueles bons momentos".

Mas a maturidade o levou afazer outras coisas além da atuação. McLaughlin recentemente lançou dois singles de neo-soul, "Neighborhood" e "Soul Travel", gravados independentemente, e está tentando aprender mais sobre como administrar suas finanças, estudando sobre como investir e como fazer orçamentos.

"Caleb está evoluindo, aos 20 anos, e está se descobrindo mais sobre a pessoa que ele é", disse o ator, falando de si mesmo em terceira pessoa. "Quero só expandir meu aprendizado e me tornar uma pessoa melhor".

Naquele momento, seu foco era o tênis. Depois de quase uma hora de aula, Ristic o desafiou para uma partida rápida, melhor de sete pontos.

"Vamos lá", disse Ristic. "Vamos colocar tudo que você aprendeu para funcionar. Sem piedade".

"Sem piedade", concordou McLaughlin, rindo. "Estou pronto".

Eles começaram a jogar, embora Ristic talvez não tenha sido completamente impiedoso. Ele corria para rebater as jogadas de McLaughlin, mesmo as que teriam ido para fora da quadra. E quando o ator não conseguiu responder a um saque, Ristic sacou de novo.

"Estou ganhando?", McLaughlin perguntou, incrédulo.

"Está três a três", respondeu Ristic.

Eles jogaram por mais alguns pontos, e McLaughlin passou na frente do placar.

"Eu sou bom demais, simplesmente", disse McLaughlin.

"Você teve sorte", respondeu Ristic, quando mais uma bola passou zunindo e fora de seu alcance.

"Fiz você correr", provocou o ator.

Ristic marcou um ponto, com uma bola de efeito. Mas em seguida McLaughlin concluiu a partida, com um "lob" que lhe deu a vitória. (Ristic o deixou ganhar? Não há como saber.)

"Esqueci de como o tênis me faz falta", disse McLaughlin, enquanto os dois trocavam cumprimentos. "Estou suando demais. E você pegou leve comigo".

Enquanto eles recolhiam as bolas, Ristic insistiu em que McLaughlin voltasse para treinar mais. "Você tem talento", disse o tenista.

McLaughlin riu, como se preparado para acrescentar um novo hífen à sua descrição como ator-cantor-dançarino-jogador de basquete. "Eu tento, eu tento, eu tento", ele disse.

Tradução de Paulo Migliacci

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem