Cinema e Séries

Lana Condor achou que seria impossível viver protagonista por ser asiática

Atriz de 'Para Todos os Garotos que Já Amei' ainda quer fazer papéis mais maduros e em filmes de ação

Lana Condor em

Lana Condor em "Para Todos os Garotos que Já Amei" (Netflix) Divulgação

São Paulo

Prestes a estrear a 2ª parte da comédia romântica “Para Todos os Garotos que Já Amei”, que alavancou sua carreira em 2018, Lana Condor desabafa sobre a indústria do cinema. Para a atriz de 22 anos, ser protagonista de um filme era algo impensável por conta de seus traços asiáticos.

“Eu realmente queria ser a protagonista de um filme, muito mesmo. E é muito triste o quão rápido eu coloquei na minha cabeça que seria impossível, por conta da minha aparência”, revelou Condor em entrevista à imprensa, durante sua passagem pelo Brasil com Noah Centineo para o Tudum Festival da Netflix.

“Essa era uma mentalidade infeliz, porque, sabe, todos temos que mudar isso. Quando recebi essa oportunidade [de ser protagonista de um filme], eu estava tão desesperada para conseguir o trabalho, e me lembro de estar sentada no carro, antes das pré-audições, pensando: ‘Eu preciso conseguir esse emprego, porque preciso mostrar para as pessoas que podemos ser protagonistas’”, completou.

A problemática por trás de uma indústria que prioriza protagonistas brancas, segundo a artista, é que ela acaba não refletindo a realidade, podendo fazer com que a noção de “normalidade” seja distorcida.

Para ela, a melhor parte de “Para Todos os Garotos que Já Amei” é que o protagonismo asiático é normalizado, fazendo com que outros diretores enxerguem que um filme com elenco diferente do comum possa fazer sucesso –tanto que, além da sequência prevista para ser lançada no próximo dia 12, um terceiro filme já foi gravado e deverá ser anunciado em breve.

“Eu me sinto honrada”, diz Condor. “Todo dia vou ao trabalho e me lembro disso. É muito mais do que contar uma história de amor, pelo menos para mim”. 

Agora, a atriz quer expandir seu portfólio. Apesar de amar comédias românticas –em sua lista de filmes favoritos estão “10 Coisas que eu Odeio em Você” e “De repente 30”–, ela afirma que gostaria de estrelar mais longas de ação. Em 2016, Condor pôde integrar o elenco de "X-Men: Apocalipse", e em 2018, "Deadly Class".

“Estou tentando crescer um pouco, claro, então quero assumir papéis mais maduros”, conta. “Mas na verdade eu só quero continuar contando histórias interessantes e diversas, sendo protagonista”.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem