Cinema e Séries

Série é banida de 11 países após representar refugiado gay

'Esta é a dura realidade de fazer trabalho árabe queer', diz corroteirista de 'Little America'

Série “Little America”, do serviço de streaming Apple TV+
Série “Little America”, do serviço de streaming Apple TV+ - Divulgação
São Paulo

A série “Little America”, do serviço de streaming Apple TV+, foi banida em 11 países por conter um personagem refugiado gay, segundo informou o corroteirista da produção Amrou Al-Kadhi.

“Esta é a dura realidade de fazer trabalho árabe queer. O banimento de Trump nos fez filmar isso fora da América. E agora nosso episódio de 'Little America' foi banido em 11 países. Sentimos muito sobre isso – por favor, saibam que estamos trabalhando duro para encontrar um jeito de levá-la até você”, afirmou Al-Kadhi em seu perfil no Twitter. Segundo o portal norte-americano Advocate, o banimento aconteceu em dez países árabes e na Rússia.

O oitavo episódio e último episódio da primeira temporada da série, intitulado "The Son”, conta a história do personagem sírio Rafiq (Haaz Sleiman), que não é aceito pela família por conta de sua sexualidade, e vai para os Estados Unidos em busca de um refúgio.

Como afirmou Al-Kadhi em seu tuíte, as filmagens de “The Son” tiveram de acontecer no Canadá, uma vez que Donald Trump restringiu a entrada de refugiados e imigrantes nos Estados Unidos.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem