Cinema e Séries

Emma Stone aparece pela 1ª vez como Cruella De Vil para filme da Disney

Atriz está praticamente irreconhecível como vilã de '101 Dálmatas'

Emma Stone aparece pela 1ª vez como Cruella De Vil para filme da Disney
Emma Stone aparece pela 1ª vez como Cruella De Vil para filme da Disney - Instagram/Disney
São Paulo

A Disney liberou durante a convenção anual D23 a primeira imagem do filme solo da vilã de "101 Dálmatas", Cruella De Vil.

Na imagem, publicada no Instagram da marca neste sábado (24), a atriz Emma Stone aparece praticamente irreconhecível, como a protagonista, segurando três dálmatas adultos. 

A história do novo longa, como já foi apresentado pela Disney, deve seguir a linha do filme “Malévola”, mostrando a origem de Cruella De Vil. O filme seria originalmente lançado nos cinemas em 2020, mas foi adiado para 28 de maio de 2021.

Emma Stone está aumentando ainda mais o seu capital com essa nova produção da Disney. A atriz comprou recentemente duas novas casas na Califórnia, sendo uma em Los Angeles e a outra em Malibu, que juntas somam uma quantia aproximada de R$ 22 milhões.

Segundo o site Dirt, especializado em apurar transações imobiliárias envolvendo grandes fortunas, uma das casas fica na região de Westwood, que é perto de Beverly Hills (Los Angeles) e foi avaliada em 2,3 milhões de dólares (aproximadamente R$ 9,2 milhões). Pelas fotos, a casa tem estilo espanhol da década de 1920 e tem 213 metros quadrados de área construída.

O mesmo site, ainda, contou que a protagonista de "La La Land" (2016) comprou uma mansão em Malibu, com vista privilegiada para a praia Las Tunas. A mansão, que custou por volta de US$ 3,25 milhões (equivalente a R$ 13 milhões), é rodeada por vegetação local e tem janelas bem amplas, para entrada de luz natural.

A atriz acumula agora quatro propriedades de luxo em seu nome. Além destas duas novas mansões na Califórnia, Emma Stone também é dona de dois apartamentos em Nova York. Cada um teria custado valores por volta de US$ 2,4 milhões (equivalente a R$ 9,2 milhões).

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem