Cinema e Séries

Nova temporada de 'Handmaid's Tale' não pretende ser 'tortura' para público, diz criador

Série vencedora do Emmy estreia novos episódios no Hulu nesta quarta-feira (5)

mulher
Cena da temporada 3 de The Handmaid's Tale - Divulgação
Jill Serjeant
Los Angeles

Com um retrato arrepiante de uma ditadura patriarcal em que as mulheres são rotineiramente estupradas, mutiladas e separadas à força de seus filhos, “The Handmaid’s Tale O Conto da Aia” às vezes se mostrou difícil de encarar.

Mas Bruce Miller, criador e produtor-executivo da série baseada no livro de Margaret Atwood escrito em 1985, disse que ele “não está no ramo de inventar crueldades”.

“Não quero que seja uma tortura assistir à série. É entretenimento e você quer que as pessoas sejam compelidas por isso. Você não quer que seja um remédio horrível”, disse Miller.

A terceira temporada da série vencedora do Emmy estreia no serviço de streaming Hulu nesta quarta-feira (5), acompanhando o dia a dia no fictício Estado norte-americano de Gilead, em um roteiro cada vez mais atual.

A aia June —interpretada por Elisabeth Moss, 36—, após recusar uma rara chance de escapar de Gilead com sua filha recém-nascida, decide permanecer lutando contra uma sociedade em que as mulheres são proibidas de ler e escrever, sendo forçadas à servidão.

No ano passado, a segunda temporada mostrou cenas de espancamento, enforcamento e estupro que a audiência considerou muito pesadas.

“Não estou interessado em fazer a audiência passar por tortura. Eu tento apenas mostrar as coisas que precisamos ver para entender aonde June está emocional e mentalmente”, afirmou Miller. “O que estou tentando fazer é contar a história de sobrevivência e vitória de June, e é uma caminhada longa e lenta.”

A nova temporada estreia em um momento em que as mulheres dos Estados Unidos, às vezes usando os marcantes trajes vermelhos e chapéus brancos da série, protestam contra leis que restringem severamente o aborto em 11 estados do país.

Os episódios exibidos em 2018 coincidiram com a repressão à imigração ilegal na fronteira entre EUA e México, período em que crianças foram separadas de suas famílias. Embora o tema da temporada atual seja rebelião, Miller afirma que não há conserto rápido.

“Queremos mostrar como um herói realmente se parece — alguém que é teimoso. Eles são derrubados, ficam machucados e se recuperam e tentam novamente”, disse Miller.

Miller explicou que quaisquer paralelos diretos entre a série e os eventos mundiais atuais não são intencionais, embora Atwood tenha dito que todos os eventos em seu livro foram retirados da história.

“Tentamos pensar no que poderia acontecer em Gilead... [Mas] se você vai fazer com que a televisão esteja ligada ao mundo real, vai ser tão inquietante quanto a turbulência política que o mundo parece estar passando agora”, disse.

Reuters
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias