Cinema e Séries

Após turistas fazerem selfies alegres em Chernobyl, criador da série pede respeito

Turista tira uma selfie sorridente na zona de exclusão de Chernobyl, na cidade abandonada de Pripyat
Turista tira uma selfie sorridente na zona de exclusão de Chernobyl, na cidade abandonada de Pripyat - BBC News/Getty Images

Descrição de chapéu BBC News Brasil

Os turistas que visitam Chernobyl devem ter "respeito". O pedido foi feito por Craig Mazin, criador da série da HBO e da Sky sobre o pior acidente nuclear da história, depois que o sucesso da produção atraiu uma legião de turistas que visitaram a área e fizeram selfies com sorrisos. Uma delas chegou a tirar uma fotografia seminua.

Para Mazin, é "maravilhoso" que uma "onda" de pessoas esteja visitando o local, na Ucrânia, que fazia parte da União Soviética. Mas ele acrescentou que é preciso lembrar "que uma terrível tragédia ocorreu ali". "Se comportem com respeito por todos que sofreram e morreram", escreveu Mazin no Twitter.

Algumas companhias de turismo fazem tours para a zona de exclusão em torno de Chernobyl, de 30 quilômetros, e Pripyat, a cidade abandonada que foi construída para abrigar os trabalhadores da usina e suas famílias.

Pripyat tinha uma população de 60 mil pessoas antes do desastre, mas ficou praticamente deserta desde então –apesar de ter sido visitada por cerca de 60 mil turistas no ano passado. A zona de exclusão vai da Ucrânia até a Bielorrússia e cobre uma área com duas vezes o tamanho de Londres.

VAIDADE

Depois da estreia da série, houve um aumento do turismo na região. Agora, seus cenários estampam fotos no Instagram. O número de pessoas que morreram em decorrência da exposição à radiação é contestado. Um relatório de 2005 feito pelo Fórum Chernobyl sugeriu que menos de 50 pessoas morreram devido à radiação. Já o Greenpeace aponta números de 93 mil vítimas.

O que não é contestado é que cerca de 5.000 casos de câncer de tireoide –na maioria, tratados e curados - ocorreram devido à contaminação. E é exatamente isso que o criador da série Chernobyl quer que as pessoas lembrem.

Não é a primeira vez que se solicita que turistas parem de fazer selfies questionáveis em lugares históricos. Em 2014, uma adolescente americana publicou uma selfie sorrindo no campo de concentração de Auschwitz. A imagem viralizou e foi amplamente contestada. Outras pessoas fizeram selfies alegres no memorial do Holocausto em Berlim, que lembra o assassinato de 1,1 milhão de pessoas no período. 

Em resposta a essas imagens, um site passou a republicar as selfies, borrando o rosto das pessoas e substitindo o fundo por fotografias de vítimas do Holocausto. Outro caso de repercussão foi o ensaio fotográfico sensual da modelo brasileira Nana Gouvêa em locais destruídos pelo furacão Sandy, em Nova York, em 2012.

BBC News Brasil
Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem