Cinema e Séries

Mortes chocantes, incestos e mais 6 razões para 'Game of Thrones' quebrar recordes de audiência

Em sua última temporada, o programa deu à HBO a melhor noite para serviços de streaming

O ator Peter Dinklage, o Tyrion, na oitava temporada de 'Game of Thrones'
O ator Peter Dinklage, o Tyrion, na oitava temporada de 'Game of Thrones' - Divulgação
Descrição de chapéu BBC News Brasil
Ahmen Khawaja

"Game of Thrones", a série de TV de fantasia baseada nos livros de George R.R. Martin, está batendo recordes de audiência.

Em sua última temporada, o programa deu à rede americana HBO a melhor noite de todos os tempos para serviços de streaming com sua estreia, algo logo em seguida batido pelo terceiro episódio.

Qual é a fórmula mágica? O programa tem ação, drama, incesto, mistério, criaturas sobrenaturais assassinas... e ainda nem falamos dos dragões! Conheça alguns dos motivos que tornam este programa tão popular.

1) Mortes chocantes

Há muitas, muitas mortes. Lembra daqueles momentos de tirar o fôlego nas primeiras temporadas, quando éramos inocentes e víamos os mocinhos sendo assassinados de maneira grotesca?

A maioria das baixas foi inesperada, começando pela terrível execução de seu protagonista, Ned Stark (Sean Bean).

A violência extrema, juntamente com a imprevisibilidade e a frequência das mortes de personagens, mantiveram o público sem saber o que esperar e interessado em descobrir o que viria em seguida.

2) Muitos segredos

Desde o primeiro episódio, as várias histórias simultâneas e reviravoltas constantes conquistaram os espectadores. Há muitas teorias criadas por fãs, e as pessoas gostam de compartilhar e debater suas previsões.

Na verdade, Game of Thrones gerou até mesmo uma mudança na forma como as pessoas assistem a programas de TV —na última temporada, muitas pessoas têm feito encontros para assistir aos episódios e discutir seus mistérios e intrigas juntas.

E, quando elas não conseguem adivinhar o próximo acontecimento do enredo, o programa se torna ainda mais viciante.

3) O roteiro

Diante das cenas bem escritas, dos personagens intrigantes e seus arcos narrativos e da escala épica da série, é fácil aplaudir o incrível trabalho dos produtores David Benioff e Dan Weiss.

A série foi adaptada da série de livros de George R. R. Martin, ambientada em um mundo de fantasia com gigantes, magia e dragões.

O roteiro conseguiu atrair pessoas que nunca se interessaram pelo gênero, em parte devido ao intenso drama político e às intrigas interpessoais que permeiam a história.

4) Os personagens

A série tem atuações excelentes, mas o desenvolvimento dos seus personagens é uma das principais razões pelas quais o público continua a assistir. Você nunca sabe quem vai ganhar: se o herói ou o vilão.

Na verdade, exceto pelos zumbis, o programa geralmente oferece situações conflitantes. Cada personagem, não importa quão bom seja, é um vilão do ponto de vista de outra pessoa.

O conceito de moralidade torna-se subjetivo, e o herói pode se transformar em um anti-herói e vice-versa em diferentes estágios da história. São as jornadas destes personagens multidimensionais e seus embates que mantêm o público ligado.

5) Mulheres poderosas e feminismo

Embora algumas pessoas inicialmente tenham se queixado de que o programa era misógino por causa de suas cenas explícitas de nudez, estupro e violência contra as mulheres, muitos agora o consideram feminista.

As personagens femininas que conseguiram sobreviver até a temporada final são poderosas. Daenerys (Emilia Clarke) é a "mãe dos dragões". Sansa (Sophie Turner) se transformou em uma líder. Arya (Maisie Williams) virou uma assassina letal, que tem na rainha Cersei (Lena Headey) sua principal inimiga.

Todas essas personagens enfrentaram grandes traumas em seus caminhos, mas, em vez de se vitimizarem, passaram a ser definidas por suas jornadas de sobrevivência.

6) A trilha sonora

Raramente a trilha sonora de um programa de televisão é tão importante para seu sucesso, mas o compositor Ramin Djawadi alcançou esse feito com seu trabalho memorável, especialmente a inimitável música tema, que se tornou um fenômeno cultural por si só.

Quem não a cantarolou alguma vez? Tornou-se uma das músicas mais reconhecidas na televisão moderna.

Cenas importantes da série foram marcadas por faixas que não apenas "acompanham as cenas, mas as moldam", de acordo com os produtores Benioff e Weiss.

7) Temas controversos

O drama de fantasia reflete os impulsos brutais e primitivos da humanidade, sem inibições ou regras, e no qual a moralidade é... fluida, na melhor das hipóteses.

Além de cenas de sexo abundantes e violência sem censura, há incesto, estupro, pedofilia e sadismo, o que é perturbador e estranhamente interessante de assistir, simplesmente pelo choque que esses temas causam ao serem exibidos na televisão

Alguns sugerem que sua popularidade se deve a um desejo inconsciente que os humanos têm de estar em um mundo completamente liberal, sem restrições ou regras.

8) Os dragões

Existem muitas criaturas míticas no show: os caminhantes brancos, os espíritos das trevas conjurados com magia negra, os lobos gigantes e três dragões aterrorizantes.

As bestas digitais geradas por computador são incrivelmente realistas, e os efeitos nos levam a um mundo com belas paisagens, paredões de gelo e dragões que cospem fogo.

Na verdade, alguns podem dizer que é mais do que apenas um mecanismo de fuga, mas um espaço que nos permite reimaginar as nossas próprias vidas. Tornou-se uma obra de arte que satisfaz nossa imaginação e nos deixa querendo mais.

Talvez a melhor parte sobre "Game of Thrones" seja que a série ative nossa criatividade, como quando lemos contos de fadas quando somos crianças. Só que, desta vez, podemos habitar sem culpa o mais adulto dos mundos de fantasia.

BBC News Brasil
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias