Cinema e Séries

Templo satânico diz que irá processar Netflix por imagens de 'O Mundo Sombrio de Sabrina'

Co-fundador da organização diz que série usou monumento deles

 
Cenas da série 'O Mundo Sombrio de Sabrina' - Divulgação

São Paulo

A nova série da Netflix, "O Mundo Sombrio de Sabrina", está sob ameaça de ação legal do "The Satanic Temple" (em tradução do inlglês, "O Templo Satânico"). A razão seria o uso de uma estátua que representaria o Dark Lord ("Senhor das Trevas") na série, que se assemelha à usada pelo templo.

O co-fundador da organização satânica, Lucien Greaves, disse que o monumento em homenagem a Baphomet, um deus pagão representado com uma cabeça de carneiro e corpo humano, teria sido apropriado pela série e, por isso, tomará ações legais contra a rede de streaming.

 "Enviamos [à Netflix] uma carta de nossos advogados os informando sobre a violação de direitos autorais, solicitando que tirassem a imagem do programa", afirmou Greaves em entrevista ao site de notícias americano The Wrap. Ele pede que as imagens sejam retiradas da série. 

A estátua a qual ele se refere aparece em diversas cenas de "O Mundo Sombrio de Sabrina", dentro da academia de bruxas para a qual a personagem Sabrina vai após completar 16 anos. Na escola mágica, o "Senhor das Trevas" é homenageado e visto como um deus. 

Em outra entrevista, para o jornal americano SF Gate, Greaves acusou a série por promover um "pânico satânico ficcional" e disse que o uso da estátua pode passar uma imagem errada de sua organização. “É angustiante que você tenha que se preocupar com a associação que está sendo feita, em que pessoas podem ver o monumento e não saber qual [imagem] procedeu a qual."

No Twitter, ele também disse estar surpreso pelas pessoas questionarem a ação legal que a organização está tomando, e perguntou se elas ficariam surpresas se fosse um programa fictício usando imagens de uma mesquita real como se fosse um QG de terroristas.

Greaves usou a rede social para comparar a imagem usada na série com a de seu templo:

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem