Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Celebridades

Johnny Depp x Amber Heard: Júri irá retomar deliberações na terça (31)

Alegações finais foram dadas pelas defesas de ambas as partes

Johnny Depp e Amber Heard, briga envolve acusações dos dois lados
Johnny Depp e Amber Heard, briga envolve acusações dos dois lados - Reuters/AFP
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Chris Lefkow
AFP

O júri do processo de difamação movido pelo ator Johnny Depp, 58, contra a ex-mulher e atriz Amber Heard, 36, em Fairfax, Virgínia, Estados Unidos, irá retomar suas deliberações na próxima terça-feira (31). Os jurados ser reuniram nesta sexta (27) por algumas horas após ouvirem as alegações finais das defesas dos atores.

Depp processa Amber por um artigo de opinião que a atriz publicou um editorial para o jornal The Washington Post, em dezembro de 2018, no qual ela se descreve como uma "figura pública que representa o abuso doméstico".

Apesar de a atriz não ter mencionado o nome do ex-marido, ele pede 50 milhões de dólares de indenização. Amber apresentou uma contra-acusação, pedindo 100 milhões de dólares, sob a alegação de ter sofrido "violência física e abuso desenfreados".

Em sua alegação final, Elaine Bredehoft, advogada da atriz, disse que a ação judicial iniciada por Depp e uma campanha de "humilhação global" tem feito da vida de Amber "um puro inferno". "Destruiu sua vida. Isso a consumiu. Ela está recebendo ameaças de morte", afirmou a advogada ao júri, de sete pessoas.

Benjamin Chew, parte da equipe legal de Depp, respondeu que, embora o ator de "Piratas do Caribe" não seja um "santo" e tenha tido problemas com drogas e álcool, "ele não é um abusador violento".

"Ele não merece ter sua vida e seu legado destruídos por uma mentira cruel", disse. "Pedimos, imploramos que devolvam seu nome, sua reputação e sua carreira", declarou o advogado.

Bredehoft, por sua vez, pediu ao júri que "responsabilize o ator", já que "ele nunca aceitou a responsabilidade por nada em sua vida".

Dezenas de testemunhas participaram do julgamento, entre elas, guarda-costas, executivos de Hollywood, agentes, especialistas da indústria do entretenimento, psiquiatras, médicos, amigos e familiares.

Depp e Amber estiveram amplamente expostos por vários dias durante o julgamento, transmitido pela televisão, que atraiu centenas de fãs, principalmente do ator.

Os jurados ouviram gravações de áudio e vídeos das acaloradas discussões do casal, além de fotos das lesões que Amber afirma ter sofrido durante o casamento.

Especialistas em saúde testemunharam por várias horas sobre um ferimento no dedo, que Depp sofreu durante as filmagens de um dos longas da série "Piratas do Caribe" na Austrália, em março de 2015.

De acordo com a atriz, Depp prometeu sua "humilhação mundial" se ela o deixasse. Amber foi objeto de uma extensa campanha nas redes sociais sob o lema #JusticeForJohnnyDepp.

Depp declarou que foi "brutal" escutar as "hediondas" e "extravagantes" acusações de abuso doméstico de sua ex-esposa.

"Nenhum ser humano é perfeito, claro que não, nenhum de nós é, mas nunca cometi agressão sexual nem abuso físico em minha vida", disse.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem