Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Celebridades

Johnny Depp foi demitido por 'comportamento não profissional', diz ex-agente

Ator usava drogas e álcool e se atrasava em praticamente todos os filmes

Ator Johnny Depp
Ator Johnny Depp - Shawn Thew/Reuters
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo
AFP

A carreira e as finanças de Johnny Depp , 58, já estavam em apuros antes de sua então esposa, Amber Heard, 36, acusá-lo de violência doméstica em 2016. A afirmação foi feita por um ex-agente e empresário do ator nesta quinta-feira (19), em um tribunal, em Virgínia, nos Estados Unidos.

Tracey Jacobs, ex-agente de Depp, disse que o ator "se tornou a maior estrela do mundo" durante as três décadas em que o representou em Hollywood. Mas a reputação do astro "começou a declinar depois de 2010 devido ao seu "comportamento pouco profissional".

O agente da UTA (United Talent Agency) deu depoimento gravado como parte do processo por difamação que Depp move contra sua ex-mulher.. Jacobs afirmou que o "comportamento não profissional" de Depp incluía o uso de drogas e álcool, além de "se atrasar constantemente em praticamente todos os filmes".

"As equipes de produção não gostam de esperar horas e horas para a estrela aparecer", explicou ele. "É uma comunidade pequena e isso deixou as pessoas relutantes em procurá-lo no final", disse Jacobs.

O ex-agente alegou que Depp estava em tal "desespero financeiro" em janeiro de 2016 que foi à agência pedindo US$ 20 milhões (cerca de R$ 98 milhões). "A proposta não foi formulada como um empréstimo", disse ele, acrescentando que seus sócios disseram a Depp que a empresa "não era um banco", embora o tenham ajudado a obter um empréstimo através do Bank of America.

Por outro lado, Josh Mandel, ex-empresário de Depp, foi questionado sobre a situação financeira do ator. Ele respondeu que estava "extremamente preocupado" com a situação financeira do ator em 2015. Houve conversas "constantes" com o ator para reduzir suas despesas, mas "isso nunca aconteceu", acrescentou. "Com o tempo, ficou claro que havia problemas com álcool e drogas" e "isso se traduziu em um comportamento mais errático", explicou.

Mandel disse que, a certa altura Depp estava gastando US$ 300.000 (cerca de R$ 1,5 milhão) por mês em funcionários em tempo integral e outros US$ 100.000 (cerca de R$ 492 mil) por mês com um médico e enfermeiras para garantir sua sobriedade.

O ex-empresário estimou que Depp ganhou cerca de US$ 600 milhões ( quase R$ 3 bilhões) ao longo das décadas em que o representou.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem