Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Celebridades

Ireland Baldwin critica ex-mulher de Johnny Deep: 'Pessoa terrível'

Amber Heard é processada por difamação pelo ator

Ireland Baldwin - Instagram/irelandbasingerbaldwin
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A modelo Ireland Baldwin, 26 –cujo pai Alec Baldwin, 63, está enfrentando um processo pelo tiro acidental que matou Halyna Hutchins– classificou Amber Heard, 35, como uma "pessoa terrível" em meio ao julgamento de difamação movido contra a atriz pelo ex-marido Johnny Depp, 58. Ele pede indenização de US$ 50 milhões (cerca de R$ 233 milhões).

"A questão é que eu conheço mulheres que são exatamente assim", escreveu a modelo no stories do Instagram sobre os processos judiciais em andamento do ex-casal.

"Elas são manipuladoras e frias e usam sua própria feminilidade para se fazer de vítima e virar o mundo contra o homem porque vivemos em uma sociedade onde é legal dizer que os homens são os piores", acrescentou a modelo.

Baldwin argumentou que "os homens também podem sofrer abusos" antes de chamar Heard de "desastre absoluto de um ser humano" e "pessoa terrível". "Espero que Johnny recupere sua reputação e sua vida. E espero que ele esteja em mais cinco filmes de Piratas", disse a modelo.

Durante as declarações de abertura na semana passada, o advogado de Heard afirmou que a atriz carregava um corretivo Milani com ela durante todo o seu "relacionamento inteiro" com o ator para cobrir os ferimentos que ela supostamente recebeu dele. Depp negou as alegações da ex-mulher.

A empresa de maquiagem respondeu postando um vídeo de 15 segundos do TikTok que desmentiu as alegações de Heard, observando que o "suposto abuso foi por volta de 2014-2016" e o casal "se divorciou [em] 2016", enquanto a "data de lançamento da paleta de maquiagem [foi ] dezembro de 2017."

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem