Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Celebridades

Jussie Smollett, ator que forjou crime de ódio, deixa cadeia após 6 dias

Ator da série 'Empire' fingiu ter sofrido ataque homofóbico e racista

Jussie Smollett - Instagram/jussiesmollett
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O ator Jussie Smollett, 39, astro da série "Empire: Fama e Poder" (2015-2020) foi liberado de uma prisão de Chicago após seis dias, mesmo condenado há cinco meses de prisão por ter supostamente forjado um ataque homofóbico e racista contra ele.

Segundo o site norte-americano Hollywood Life, Smollett teve sua pena concluída por pagar uma fiança de US$ 150 mil, o equivalente a pouco mais de R$ 760 mil. A imprensa internacional afirma que o artista deixou a penitenciária do Condado de Cook, em Chicago, escoltado por cinco seguranças.

Smollett não respondeu às perguntas dos jornalistas que o aguardavam no local. Além da pena, o ator passará 30 meses em liberdade condicional. Ele teve que restituir aos cofres públicos de Chicago um total de US$ 120 mil (cerca de R$ 610 mil) gastos nas investigações dos crimes e mais US$ 25 mil em multas, cerca de R$ 127 mil.

Durante seu julgamento, o artista insistiu ser inocente. "Se eu fiz isso, significa que enfiei meu punho nos medos dos negros americanos neste país de mais de 400 anos neste país e nos anos da comunidade LGBT... faça isso comigo mesmo e todos vocês devem saber disso", disse ele na época.

Os ataques supostamente forjados teriam acontecido no ano de 2019, quando Smollett afirmou que sofreu um crime de ódio por parte de dois apoiadores do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que o atacaram em um metrô em Chicago.

No entanto, ele foi acusado de pagar US$ 3,5 mil (aproximadamente R$ 17,8 mil) para que os homens o atacassem. A pena do artista chegou a ser criticada nas redes sociais, e Smollett ganhou o apoio de outros artistas como Samuel L. Jackson.

Segundo o Deadline, quando a sentença foi lida e os policiais se preparavam para levá-lo à Cadeia do Condado de Cook, Smollett tirou a máscara, se levantou e disse repetidamente: "Não sou suicida". Ele ainda deu um aviso: "Se alguma coisa acontecer comigo lá [na cadeia], eu não fiz. Não sou suicida, sou inocente", disse.

O juiz do caso foi bastante incisivo com o ator ao falar diretamente com ele e dizer que ele fez sua "vida de cabeça para baixo por sua má conduta e travessuras" e após "falsificar crimes de ódio raciais e homofóbicos". O juiz também o chamou de "egoísta, arrogante e narcisista" por suas ações "premeditadas". "Você é apenas um charlatão, fingindo ser vítima de um crime de ódio", concluiu o juiz.

O ator chegou a ser colocado na ala psiquiátrica da Cadeia do Condado de Cook. Segundo seu irmão, isso ocorreu porque os documentos oficiais da sentença diziam que Smollett corria o risco de se machucar, mas após pressão das redes sociais ele foi retirado da ala.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem