Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Celebridades
Descrição de chapéu LGBTQIA+

Ator diz que live-action de 'A Bela e a Fera' não aprofundou personagem gay

Josh Gad deu vida LeFou, comparsa do vilão Gaston

O ator Josh Gad durante estreia do live-action de 'A Bela e a Fera', em Los Angeles - Mario Anzuoni - 2.mar.17/Reuters
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Campinas

Cinco anos após a estreia do live-action de 'A Bela e a Fera', o ator Josh Gad revelou ao site The Independent que seu personagem LeFou, comparsa do vilão Gaston, não teve sexualidade bem explorada.

Para o dublador de Olaf, o filme da Disney não foi "longe o suficiente" na abordagem do personagem gay. Na época das filmagens, ele diz, o diretor Bill Condon considerou como inovador o momento em que o personagem dança com outro homem, no final da trama.

"Meu arrependimento em relação ao 'primeiro momento explicitamente gay da Disney' é que nunca foi previsto para ser aquilo. Nunca houve a intenção de ser um momento pelo qual deveríamos nos elogiar, porque, francamente, não acho que fizemos justiça ao que um personagem gay em um filme da Disney deveria ser."

Mesmo assim, o diretor afirmou que, na época de lançamento, um cinema se recusou a exibir a cena e recebeu algumas ameaças de países que queriam censurar o filme.

O ator também revelou na entrevista que estava desenvolvendo uma série para o Disney + sobre LeFou e Gaston (Luke Evans), mas o estúdio cancelou a produção, sem deixar claro se a sexualidade de LeFou teria sido melhor explorada.

"Nós tentamos fazer funcionar, mas no fim das contas não era para acontecer...por enquanto", disse. "Eles personagens e essa história vão existir, mas às vezes as melhores intenções e a realidade conflitam e não há nada que possa ser feito."

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem