Celebridades

Quentin Tarantino avalia possibilidade de parar de dirigir filmes

'A maioria dos diretores faz últimos longas horríveis', disse

O diretor Quentin Tarantino durante o festival Cannes
O diretor Quentin Tarantino durante o festival Cannes - Valery Hache - 22.mai.2019/AFP
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O diretor e roteirista Quentin Tarantino, 58, analisou a possibilidade de deixar Hollywood, em entrevista ao podcast Pure Cinema. Ele também deu seu ponto de vista sobre os últimos trabalhos de profissionais renomados.

"A maioria dos diretores tem últimos filmes horríveis. Normalmente seus piores filmes são os seus últimos. Esse é o caso da maioria dos diretores da Era de Ouro que acabaram fazendo seus últimos filmes no final dos anos 60 e 70", disse.

"Então acabou sendo o caso para a maioria dos diretores de Nova Hollywood que fizeram seus últimos filmes no final dos anos 80 e 90", continuou ele, fazendo referência ao diretor Arthur Penn do filme "Bonnie e Clyde" (1967).

"Não sou um grande fã desse diretor, mas o fato de o último filme de Arthur Penn ser "Penn e Teller Get Killed" é uma metáfora de como a maioria dos últimos filmes dos diretores da Nova Hollywood eram miseráveis", explica.

"Então, terminar sua carreira em um filme decente é raro. Terminar com um bom filme é tipo fenomenal", reflete ele, que deixa claro que pretende não estar mais em sets de filmagens. "Quer dizer, os últimos filmes da maioria dos diretores são péssimos. Talvez eu não devesse fazer outro filme porque ficaria muito feliz em sair por cima", conclui.

O último filme do diretor foi "Era Uma Vez... Em Hollywood" (2019) que ganhou dois Oscars em 2020 e foi aclamado pela crítica. Este foi seu nono trabalho, e em outra ocasião, ele já havia comentado que poderia encerrar a carreira no décimo.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem