Celebridades

Dupla sertaneja As Galvão chega ao fim após 74 anos por motivo de saúde

Triste, Mary Galvão afirma que irmã, Marilene, 'não lembra mais as letras' das músicas

As irmãs Galvão
Marilene e Mary, que formaram a dupla As Galvão, encerram parceria - Cristiane Araújo/Divulgação
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Mary Galvão, 81, que por 74 anos cantou ao lado da irmã Marilene, 79, disse que a dupla sertaneja As Galvão chegou ao fim. "Infelizmente, ela não lembra mais as letras, não lembra mais nada. É muito triste", disse Mary anunciando, assim, que a parceria musical foi encerrada.

"Amo muito a minha irmã, muito, muito. Vou sempre visitá-la. Um amor muito grande, por tudo o que nós passamos juntas, sempre uma dando apoio para a outra. Esse amor não vai acabar, não", disse em entrevista ao canal do YouTube de André Piunti.

Mary explicou que a irmã sofre do mal de Alzheimer, doença incurável e degenerativa que afeta memória, linguagem e outras funções cerebrais. "É um lado muito triste. A pessoa que está doente não sabe nada e nós sofremos por ela", disse a cantora.

"Ela está bem assessorada. O Alzheimer não tem cura, então temos que fazer o possível para que ela tenha um tempo maior de vida e isso depende de nós, porque eles não sentem nada, nós é que sentimos, nós que temos que procurar um meio de deixar a vida deles menos complicada", esclareceu Mary.

"Imagine uma irmã, com quem cantei desde criança, de repente temos que dar um tempo e não tem mais jeito. Não é fácil, mas temos que tirar de letra. Sinto muita saudade da pessoa dela. Tudo é muito triste", concluiu.

Parceria formada em 1947, as Irmãs Galvão passaram a ser conhecidas por As Galvão em 2002, por inspiração na numerologia. Vozes de sucessos como "Beijinho Doce" e "Coração Laçador" formaram a dupla sertaneja que permaneceu por maior tempo em atividade no Brasil.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem