Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Celebridades

Ex-pastor Felipe Heiderich denuncia ataques homofóbicos à polícia

'Querem bater? Venham com força, porque eu aguento', diz ele

Felipe Heiderich - Instagram/felipeheiderich
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O ex-pastor Felipe Heiderich afirmou que denunciou à polícia ataques homofóbicos que vêm recebendo nas redes sociais desde que assumiu o seu relacionamento com o youtuber Bruno de Sinome no fim de março.

"De hora em hora, minuto a minuto, recebo gente me chamando de doente, de abominação, pedófilo, psicopata. É o tempo inteiro. Além disso, algumas pessoas vão além, e essas pessoas vou acionar", afirmou ele em vídeo publicado no Instagram no sábado (22).

"Existem limites que não devem ser ultrapassados. Querem bater? Venham com força, porque eu aguento. Homofobia é crime, e homossexualidade e pedofilia não tem nada a ver uma coisa com a outra", escreveu na legenda.

Segundo a colunista Fábia Oliveira, do jornal O Dia, Heiderich e Bruno de Simone já registraram boletim de ocorrência contra cinco youtubers por homofobia. O ex-pastor havia afirmado no vídeo que iria selecionar as 500 piores ameaças que já recebeu para apresentar à polícia.

Na ocasião, Heiderich também afirmou que muitos o xingam por ele falar sobre religiosidade. "Eu não vou parar de falar de Deus, querendo você ou não", disse.

Ele afirmou também que recebeu mais de 20 mil xingamentos e mais de 5.000 ameaças de morte quando foi acusado de abuso sexual contra o enteado. Nesse processo, ele foi absolvido por falta de provas, em setembro de 2020. De acordo com a ação, movida pela ex-mulher dele, a pastora, Bianca Toledo, o filho dela teria sido vítima de pedofilia, em 2016, quando tinha cinco anos.

Após se livrar do processo, Heiderich move uma queixa-crime contra Toledo, por entender que foi vítima de uma armadilha para incriminá-lo injustamente. Ele afirmou que não fez nada na época.

"Agora, depois que eu assumi a sexualidade, as pessoas vieram com tudo. Cheguei a printar uns 500 comentários com telefone, email, perfil das pessoas que ultrapassaram esse limite [...] Abri meu coração para vocês, e em algumas pessoas eu vou dar um basta", disse.​

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem