Celebridades

Claudia Leitte pede perdão após críticas por resposta evasiva no Altas Horas

Cantora teve chance de falar sobre o que a indignava e se absteve

Claudia Leitte no Altas Horas - Globo
São Paulo

A cantora Claudia Leitte, 40, pediu perdão aos fãs por evitar se posicionar sobre assuntos que têm indignado a maioria das pessoas, como a falta de vacinas e as aglomerações em meio a uma pandemia.

No programa Altas Horas (Globo) do último sábado (22), quando perguntada sobre qual tema atualmente a tirava do sério, Leitte foi na contramão dos outros convidados Deborah Secco, 41, e Ana Maria Braga, 72, e deu uma resposta evasiva.

“A minha indignação? Eu tenho um coração pacificador, Serginho. Eu me indigno, sou capaz de virar tudo pelo avesso, mas todo mundo tem um lugar onde pode brilhar uma luz para desfazer o que está acontecendo. E se essa luz se acende, obviamente, não vai ter escuridão”, disse.

Em vídeo publicado nas redes sociais, a cantora se desculpou. “Esse era um momento que eu precisava ter muita consciência do meu papel social e eu não tive. Não sei porque cargas d’água dei uma resposta evasiva naquele momento e, desde que saí do programa, estou reflexiva”, começou.

“Eu acho que um artista tem um papel que precisa ficar muito claro. Eu faço entretenimento, mas faço com uma missão. Eu precisava ter falado das minhas indignações para levantar questões, discussões saudáveis, conversas a respeito daquilo, mudanças de atitudes”, continuou.

Na sequência, falou o que mais a tira do sério e deu a resposta que era aguardada. “Me indigna o fato das pessoas que não usam máscaras, continuam promovendo e incitando aglomerações. Isso mata. O número alarmante de mortos é desesperador. O noticiário sangra todos os dias”, afirmou.

A artista concluiu: “O número de pessoas passando fome é revoltante, triste, desesperador, sufoca. E eu não falei sobre isso. Não falei sobre as mulheres que estão sofrendo violência doméstica e não têm abrigo”, concluiu.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem