Celebridades

Bruno Gagliasso troca farpas com Collor nas redes sociais: 'Pagador de impostos'

Com a repercussão negativa, a mensagem do senador foi apagada

Bruno Gagliasso e Fernando Collor - Greg Salibian e Pedro Ladeira
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Bruno Gagliasso, 38, trocou farpas com o senador Fernando Collor (Pros-AL) nas redes sociais. O ator criticou a aproximação do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) ao ex-presidente, que sofreu impeachment em 1992.

"Chega a ser uma piada esse presidente que representaria tudo de 'novo' trazer para ser seu conselheiro econômico um sujeito que fez tantas famílias sofrerem com sua política econômica", reclamou. "BolsoCollor é um escárnio."

Ativo nas redes sociais, o perfil de Collor respondeu à menção ironizando o ator. "Sujeito, para de espernear e querer lacrar", escreveu. "Aproveita o tempo vago e vai fazer algo de útil pelo Brasil. Se não conseguir, vai para Noronha e para de encher o saco."

A resposta não agradou ao ator, que fez uma réplica. "Está querendo palco, irmão?", disse. "Eu não ganho dinheiro do povo para estar no Twitter ofendendo os brasileiros. Eu sou um brasileiro pagador de impostos e você é meu funcionário. Vai trabalhar e me respeite."

Várias pessoas passaram a se manifestar a favor de Gagliasso e lembraram do confisco das cadernetas de poupança durante o governo Collor. Foi o caso da atriz Fabiula Nascimento. "O Collor acabou com a vida da minha família, com os sonhos do meu irmão. Anos para nos recuperar", escreveu.

Com a repercussão negativa, a mensagem do senador foi apagada. Mesmo assim, o ator falando da postura do político nas redes sociais. "Num país decente, o político me apresentarias o trabalho dele, com educação, para que eu mudasse ou não de opinião", avaliou. "No Brasil o sujeito se acha no direito de xingar o povo. É inacreditável."

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem