Celebridades

Filha de Gugu, Marina Liberato diz que quer trabalhar na TV, mas sem apresentar

Adolescente revela desejo de morar na Califórnia nos próximos anos

Gugu Liberato com as filhas gêmeas, Marina Liberato e Sofia Liberato - Instagram/portalestrelando
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Marina Liberato, 17, uma das filhas gêmeas de Gugu Liberato, que morreu em novembro de 2019, afirmou que quer seguir os passos do pai e entrar para a televisão. Em uma brincadeira de verdade ou mentira, em seus Stories, em resposta a uma seguidora, a adolescente disse ser verdade a história de que gostaria de trabalhar na TV, mas "não como apresentadora".

Entre as perguntas que recebeu no jogo, Marina comentou sobre os planos e os sonhos que ela tem para o futuro. Um deles é o de se mudar para a Califórnia, nos Estados Unidos –atualmente, ela mora em Orlando– nos próximos anos. A jovem também comentou sobre a última viagem que fez ao Brasil, no final de 2020, para comemorar o Natal e seu aniversário com a família.

Gugu morreu aos 60 anos em um hospital em Orlando, Flórida, nos Estados Unidos. O apresentador não resistiu após cair de uma altura de quatro metros quando fazia reparos no ar condicionado do sótão de sua casa, num condomínio localizado nos arredores da cidade. Ele deixou a mulher, Rose Miriam Di Matteo, e três filhos: João Augusto, 19, que já revelou ter o desejo de ser apresentador assim como o pai, e as gêmeas Marina e Sofia.

Em 2020, um ano após a morte do apresentar, a viúva de Gugu falou sobre o patrimônio deixado por ele, que ainda está em disputa na Justiça do Brasil. Em entrevista exclusiva ao fantástico, que foi ao ar em novembro de 2020, Rose Miriam, que não foi citada no testamento, afirmou que não há atritos na sua relação com os filhos, mas que gostaria de ser amparada. "Nós não estamos em oposição. Meus filhos me amam, eu amo meus filhos, desejo o melhor para eles, mas eu tenho os meus desejos também."

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem