Celebridades

Gregorio Duvivier é condenado a pagar R$ 25 mil a Luciano Hang por postagem

Na decisão, a juíza entendeu que Duvivier excedeu o limite da liberdade de expressão

Gregorio Duvivier e Luciano Hang, dono da Havan
Gregorio Duvivier e Luciano Hang, dono da Havan - Montagem
Erramos: esse conteúdo foi alterado
São Paulo

A Justiça do Rio de Janeiro condenou o ator e escritor Gregorio Duvivier, 34, colunista da Folha, a pagar uma indenização de R$ 25 mil por danos morais ao empresário Luciano Hang, 57, por uma postagem feita no Twitter em maio de 2019. Cabe recurso da decisão.

Na publicação, Duvivier escreveu: “to tisti alguém mata o véio da havan (sic)”. A juíza Maria Cristina Slaibi, da 3ª Vara Cível do Rio, também deu um prazo de 48 horas para que ele exclua o verbo matar da publicação, além do pagamento dos custos dos advogados.

Na decisão, a juíza entendeu que Duvivier excedeu o limite da liberdade de expressão e explicou que a condenação tem “caráter repressivo-pedagógico”. Procurado, o ator não se manifestou até a publicação deste texto.

Hang comemorou a decisão nas redes sociais. "O Gregorio Duvivier foi infeliz desejando que alguém matasse o 'Véio da Havan'", afirmou. "O dinheiro será doado para a Apae. Mais uma oportunidade de fazer o bem. Para ele, só um recado: não foi dessa vez que pedi música no Fantástico."

AÇÃO CRIMINAL

Em dezembro de 2019, Duvivier havia ironizado o fato de que a ação de Hang já havia sido julgada improcedente em duas ocasiões. "Se perder de novo, Luciano Hang pode pedir música no Fantástico", havia escrito em suas redes sociais. A frase é uma referência ao quadro do programa da Globo, em que jogadores de futebol podem pedir uma canção quando marcam três gols na mesma partida.

Hang entrou com ação criminal em maio do ano passado. Para o empresário, além de injúria, houve incitação ao homicídio.Contudo, na primeira instância, a juíza Maria Tereza Donatti não aceitou o pedido. "O que temos é a irresignação de um cidadão diante de uma piada formulada por um humorista, nada além disso."

O empresário recorreu, mas os desembargadores da Primeira Turma Recursal Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro também haviam recusado o pedido. Paralelamente à ação criminal, Hang moveu uma ação civil, na qual teve decisão favorável.

ERRAMOS: O conteúdo desta página foi alterado para refletir o abaixo

A decisão da 3ª Vara Cível do Rio​ se refere ao processo civil, e não ao criminal. O texto foi corrigido. 

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem