Celebridades

Lance Armstrong admite que começou a se dopar com 21 anos

Cicliste diz em documentário da ESPN que começou a ser dopar no início da carreira

Lance Armstrong no World Cancer Congress - Rogerio Barbosa/AFP
Paris

O ex-ciclista Lance Armstrong, 48, admitiu em documentário da emissora americana ESPN que começou a ser dopar aos 21 anos, no início da carreira profissional.

"Direto ao ponto... eu tinha provavelmente 21 anos", respondeu Armstrong ao ser questionado pelo jornalista Marina Zenovich sobre quando teve a primeira experiência com doping.

A revelação de Armstrong aparece na chamada, que foi ao ar na segunda-feira (18), de um documentário de duas partes batizado de "Lance", que será exibido pela ESPN nos Estados Unidos em 24 e 31 de maio.

Na chamada, Armstrong explica que "há várias formas de definir doping". "A forma mais fácil é não respeitar as regras. Recebíamos injeções de vitaminas e outras coisas assim antes (dos 21 anos)? Sim, mas não era ilegal. Eu sempre questionava o que me davam? Sempre soube o que tinha nas injeções e eu sempre tomei a decisão", explicou o ex-ciclista.

"Ninguém me disse: 'Não pergunte, vamos te dar isto e pronto'. Eu nunca teria aceitado. Me informei, e foi um passo que dei", continuou. O americano, rei do ciclismo profissional nos anos 2000, ganhou set edições consecutivos do Tour de France entre 1999 e 2005.

Mas Armstrong, ex-líder das equipes US Postal e Discovery Channel, teve as conquistas retiradas após ter sido banido para sempre do esporte pela Agência Americana Antidoping (Usada), que o acusou de criar "o sistema de doping mais sofisticado, mais profissional e mais eficiente da história do esporte".

Em 2013, Armstrong reconheceu ter começado a se dopar em 1996, durante entrevista concedida à popular apresentadora americana Oprah Winfrey. As novas revelações, porém, sugerem que o ex-campeão começou a se dopar em 1992 ou 1993, o que colocaria em dúvida o título mundial conquistado em 1993 em Oslo.

AFP
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem