Celebridades

Harry Styles conta que perdeu pedaço da língua ao usar alucinógeno

Cantor antecipa que próximo álbum será sobre 'sexo e tristeza'

O cantor e ator Harry Styles durante estreia do filme "Dunkirk"
O cantor e ator Harry Styles durante estreia do filme "Dunkirk" - Francois Lo Presti/AFP/19.07.2017
São Paulo

Harry Styles, 25, revelou que já sofreu com as consequências de drogas. Durante um passeio de carro por Los Angeles, o cantor disse que usou "muitos alucinógenos por aqui".

"A gente usou muitos cogumelos, deitados na grama, e ouvindo Ram, de Paul McCartney com o brilho do sol. A gente colocava as caixas de som no quintal", diz em entrevista à revista norte-americana Rolling Stones. "Aqui é onde eu estava quando usamos cogumelos e eu mordi minha língua arrancando um pedaço fora. Então eu estava tentando cantar com todo esse sangue jorrando da minha boca. Tantas boas memórias nesse lugar".

Com previsão de vinda ao Brasil, o cantor também revelou que seu novo álbum será primordialmente sobre "sexo e tristeza". Segundo ele, as músicas vem de "um coração partido".

"Foram as músicas que tive mais dificuldade para escrever. Tive que doar parte da minha alma para compô-las. Me questionei sobre cultura, gênero, identidade, masculinidade e sexualidade".

"Canto sobre como é se sentir patético quanto estou com ciúmes ou quando estou mais feliz do que nunca, ou mais triste do que nunca. Sentindo pena de mim, raiva, sendo mesquinho ou lamentável", completou.

O cantor também falou sobre seus anseios dentro do grupo One Direction, e disse que ficava constantemente com medo de cantar algo errado. Ele relembrou a separação da banda em 2015, e disse que não renuncia ou se envergonha desta época.

"Acho que não diria que nunca faria isso de novo, porque não me sinto assim. Se houver um momento em que todos nós realmente quisermos isso, será o momento para voltarmos, porque eu não acho que deveria ser sobre outra coisa senão o fato de todos pensarmos: 'Ei, isso foi muito divertido. Devemos fazer de novo'. Mas, até agora, eu sinto que estou realmente gostando de fazer música e experimentar", explicou.

"Eu gosto muito de fazer música desse jeito para me ver mudando os rumos e então voltar a fazer aquilo de novo. Porque eu também acho que se voltássemos a fazer as coisas da mesma maneira, não seria o mesmo, de qualquer modo".

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem