Celebridades

Padre Fábio de Melo diz que quase desistiu da vida religiosa por paixão avassaladora

Ele afirma que ficou arrasado com término: 'Chorei'

Padre Fábio de Melo - Marcos Rosa/Globo
São Paulo

Em uma live no Instagram com a apresentadora Márcia Goldschmidt, padre Fábio de Melo disse que quase desistiu de se dedicar à vida religiosa por ter se apaixonado por uma mulher no início dos anos 1990. Ele definiu o romance como uma "paixão avassaladora" que durou "uns quatro, cinco meses", e aconteceu quando cursava a faculdade de filosofia e ainda não tinha se tornado sacerdote. A entrevista foi concedida na terça (14).

"Eu já me apaixonei antes de me tornar padre e quase me decidi por sair (...) Na época, o padre Léo, que foi muito presente na minha vida, me deu um conselho nada ortodoxo. Ele me disse assim: ‘Você não vai deixar de viver esse amor’. E eu falei: ‘Leo, eu sou seminarista, estou traindo’, mas ele explicou que eu fiz votos temporários e que nada era definitivo. Ele disse: ‘Vai que essa é a mulher da sua vida?’ Ele foi muito sábio em me aconselhar a viver aquela situação”, contou.

Segundo o padre, foi a mulher que decidiu colocar um ponto final na história ao dizer que ele tinha nascido para ser sacerdote. “Ela disse: ‘Não tenho força para lutar contra aquela casa, com aquela estrutura e tudo que significa para você. Vai ser padre, menino! Você nasceu para isso’. Aí fui embora”, afirmou.

Fábio de Melo disse que ficou desolado com o término do romance. "Parecia que o mundo tinha acabado para mim. Chorei, chorei, chorei."

Ele contou que reencontrou a mulher em uma viagem para Santa Catarina em 2005, quatro anos depois de ter se tornado padre. “Como dizia Tom Jobim, é desconcertante rever um grande amor. Márcia, na hora que me deparei com aquela situação, ela falou: ‘Não acredito, guri’”, disse.

“Ela brincou ainda com a situação, mostrou o filho e falou: ‘Esse é meu menino. Poderia ser nosso, mas não deu certo’. Estava casada, feliz da vida”, acrescentou.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem