Celebridades

Justiça condena 'estripador de Hollywood' que matou amiga de Ashton Kutcher em 2001

Michael Gargiulo foi considerado culpado por dois assassinatos

Ashton Kutcher
Ashton Kutcher - Frederick M. Brown/AFP
Alex Dobuzinskis
São Paulo

Um júri popular declarou culpado Michael Gargiulo, apelidado de “Estripador de Hollywood”, nesta quinta-feira (15), pela morte de duas mulheres a facadas, uma delas amiga do ator Ashton Kutcher.

O homem também foi considerado culpado pela tentativa de assassinato de uma terceira vítima. Agora, a Justiça avaliará se Gargiulo estava são na época dos assassinatos, em procedimentos que começarão na próxima terça-feira (20), de acordo com o Serviço de Notícias Municipais. 

Kutcher, que estrelou programas de TV como “Two and a Half Men” e “That 70’s Show” disse em audiência diante do júri em Los Angeles que chegou ao apartamento de uma das vítimas do homem na noite do dia 22 de fevereiro de 2001, depois de ter marcado um encontro com ela, e encontrou as luzes acesas e a porta trancada, de acordo com o Serviço de Notícias da cidade. 

O depoimento do ator foi dado em maio deste ano. A amiga do ator, Ashley Ellerin, que tinha 22 na época de sua morte, foi uma entre muitas mulheres atacadas por Gargiulo. Ela foi vítima de 47 facadas no banheiro de sua casa. 

Espiando pela janela na casa da vítima, o então ator de 23 anos viu “o que achou ser um vinho tinto derramado no carpete”. 

Ellerin, de 22 anos, foi encontrada morta em sua casa na manhã seguinte por uma companheira de residência. Ela havia sido esfaqueada 47 vezes, disseram os promotores do caso. 

Gargiulo sentou impassível na sessão, levantando um pouco seu corpo da cadeira, enquanto o veredito do júri era lido. 

Além da morte de Ellerin, o júri também declarou Gargiulo culpado pela morte por esfaqueamento de Maria Bruno e pela tentativa de assassinato de uma terceira mulher, Michelle Murphy, que sobreviveu um ataque à faca.

Reuters
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem