Celebridades

Wesley Safadão se emociona em velório de Gabriel Diniz: 'Ele me disse que a vez dele tinha chegado'

Família e amigos seguiram para o enterro do cantor

Velório do Cantor Gabriel Diniz
Velório do Cantor Gabriel Diniz - Alexandre Carniato/AGIF
Aline Martins
São Paulo

Wesley Safadão e outros artistas presentes prestaram as suas homenagens a Gabriel Diniz, que morreu nesta segunda-feira (27), em um acidente aéreo. No microfone, todos deram seu testemunho do talento do cantor e lembraram dos últimos momentos que passaram com ele.

Após o velório, a missa de corpo presente durou mais de duas horas, no ginásio O Ronaldão, no bairro do Cristo Redentor, em João Pessoa (PB). 

“Não estou conseguindo explicar o que estou sentindo no coração. Desde que vi o Gabriel pela primeira vez, vi que era um cara diferenciado. E agradeço a Deus por eu ter feito parte da vida dele. Quando soubemos da notícia, ficamos sem querer acreditar [...]. Nas últimas vezes que a gente se encontrou o que ele falava era: ‘chegou a minha vez. Vou trabalhar mais ainda e realizar todos os meus sonhos'", lembrou Safadão, que investiu na carreira de Diniz.

Matheus, da dupla Mateus e Kauan, lamentou por não ter ligado para o Gabriel, recentemente. “Falei que precisava falar com ele, que tava sentindo muita saudade dele, e eu não fiz. A correria não deixou. Então, isso serve de ensinamento também porque a gente tem que viver o agora", afirmou.

Xande Avião lembrou a alegria que Diniz. “Gabriel era um cara que animava meus aniversários. Quando a coisa tava séria, eu chamava Gabriel que ele resolvia tudo. Quando a gente se encontrava, eu dizia que ele era meu namorado, e o pessoal da TV acreditava. Tá ruim, tá doendo", disse o cantor.

À filha, Xande contou que o cantor de 'Jenifer' havia morrido. "Ela respondeu: ainda bem que ele deixou uma música para nós", contou emocionado.

O músico Mano Walter também falou. “Todos aqui sabem que você é especial e veio só pra fazer o bem. Que pena que não vou ter mais você pra gente cantar no camarim. Só queria dizer que um dia a gente vai encontrar". 

A missa terminou com fortes aplausos e fritos de “GD, GD, GD...”. Em seguida, foi dado início ao cortejo até o cemitério particular Parque das Acácias, no bairro do José Américo, na Capital paraibana. Apenas familiares e amigos próximos puderam acompanhar o enterro. 

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem