Celebridades

George Clooney defende boicote a hotéis de Brunei devido a pena de morte para gays

Ex-protetorado britânico anunciou que irá implementar novas punições de acordo com a lei sharia

George Clooney recebe prêmio honorário do American Film Institute
George Clooney recebe prêmio honorário do American Film Institute - Valerie Macon/AFP
Jill Serjeant
Los Angeles

O ator vencedor do Oscar George Clooney convocou um boicote a hotéis de luxo, incluindo o Beverly Hills Hotel, pertencente a Brunei, devido aos planos do país do Sudeste Asiático de impor a pena de morte a pessoas que tiverem relações homossexuais ou cometerem adultério.

Brunei, um ex-protetorado britânico, anunciou que irá implementar novas punições de acordo com a lei sharia a partir de quarta (3), que incluem morte por apedrejamento e açoitamento para sodomia, adultério e estupro.

Em um artigo de opinião publicado no site de entretenimento Deadline.com nesta quinta (28), Clooney escreveu que “toda vez que nos hospedamos, ou conduzimos reuniões, ou jantamos em qualquer um desses nove hotéis estamos colocando dinheiro diretamente nos bolsos de homens que escolhem apedrejar e chicotear até a morte seus próprios cidadãos por serem gays ou acusados de adultério”.

A Companhia de Investimentos de Brunei é dona de nove hotéis nos Estados Unidos e na Europa, incluindo o Beverly Hills Hotel, o Dorchester em Londres e o Plaza Athénée em Paris.

A Companhia de Investimentos de Brunei e o gabinete do primeiro-ministro não responderam a pedidos por comentário enviados por email nesta sexta (29).

Clooney, que também é um ativista político e um dos nomes mais influentes de Hollywood, disse que ele próprio já se hospedou em muitos desses hotéis “porque eu não havia feito o meu dever de casa e não sabia quem eram os seus donos”.

Reuters
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem