Celebridades

'Parece que nunca saí', diz Patrycia Travassos, que retorna à Globo em 'Espelho da Vida'

Atriz viverá Edméia, mãe de Alinne Moraes, a grande vilã da trama

Patrycia Travassos como Edméia na novela "Espelho da Vida"
Patrycia Travassos como Edméia na novela "Espelho da Vida" - João Miguel Junior/Globo
Lara Pires
São Paulo

Aos 63 anos, a atriz Patry­cia Travassos está de volta à Globo após 13 anos longe. Ela será Edméia em “Espelho da Vida”, próxima novela das seis, que estreia no dia 25.

Nesse período, a atriz trabalhou por nove anos na Record, onde atuou em “Ri­beirão do Tempo” (2010) e
“Mutantes” (2008). O retorno, para Patrycia, é algo natural da profissão.

Segundo ela, faz parte da carreira passar uma tempo­rada em outra emissora ou parar para se dedicar ao tea­tro. “Como trabalhei na Glo­bo durante muito tempo, o local é familiar, parece que nunca saí e sempre estive lá”, diz Patrycia.

“Todos os meus colegas de trabalho em algum momento estão na Globo”, completa. Ela conta que, agora, seu contrato é por obra. “Não es­tou presa a nenhuma emis­sora, mas nunca estive fora do cenário da atuação”, afir­ma a artista.

Conhecida do público da Globo por personagens icô­nicos, como a vampira Mary Ramos Matoso, de “Vamp” (1991); a Solange Lopes, de “A Próxima Vítima” (1995); e a Milagros Quintana, de “As Filhas da Mãe” (2001), Patrycia, em “Espelho da Vi­da”, interpretará uma mu­lher que acredita em forças sobrenaturais.

A personagem será marcada por um rela­cionamento conturbado com a filha, Isabel, a vilã da tra­ma –que será interpretada por Alinne Moraes.

“Edméia abandonou a fi­lha para viver em uma co­munidade espiritual e ir em busca de autoconhecimento”, conta a atriz. “Até que ela sente que a filha precisa de ajuda e decide retornar à
cidade de Rosa Branca”, ex­plica Patrycia.

A artista ressalta ainda o tema central no enredo de Elizabeth Jhin, que trata de vidas passadas, assunto com o qual simpatiza. “Eu não pratico o espiritismo, mas te­nho simpatia pela filosofia de vidas passadas, acho uma teoria plausível, em que a gente está numa roda de vi­ das com créditos e débitos para resolver”, afirma

“Co­mo explicar uma criança de três anos que toca piano muito bem sem nunca ter aprendido? Esse é um exem­plo de que ela deve ter uma história como pianista em outra época”, acredita. A expectativa de Patrycia para a estreia da novela é grande.

“A fotografia será linda, pois a trama está sen­do gravada na cidade de Ma­riana, em Minas Gerais, e em cidades próximas a Ouro Pre­to, o que vai trazer para a
novela uma paisagem muito diferenciada e bonita.”

Patrycia Travassos e Alinne Moraes serão mãe e filha na próxima novela das seis, “Espelho da Vida” (Globo). A relação, entretanto, não será fácil, já que Alinne dará vida a Isabel, vilã que não seguirá
os conselhos da mãe e se re­velará egoísta.

“Edméia tentará neutrali­zar as atitudes da filha, por­que acredita que a menina já tenha feito coisas erradas em outros tempos, em outras vi­das, e que cabe à mãe tentar impedir que isso se repita”,
explica Patrycia Travassos.

“Minha personagem crê em forças sobrenaturais e, a certa altura, percebe que de­ ve voltar à cidade de Rosa Branca para ajudar a filha”, revela Patrycia. “Mas não se­rá fácil. A personagem da Alinne me maltrata na trama que é uma loucura. E não tem escrúpulos”, fala.

 

​​Patrycia conta que ela e Alinne têm amigos em co­mum e já se conheciam, apesar de não terem contra­
cenado juntas antes. “Mas é muito diferente conviver so­cialmente e trabalhar junto”, afirma Patrycia.

“Contracenar dá uma inti­midade muito maior, nossas cenas são muito intensas e está sendo legal gravar com a Alinne, que é uma atriz mui­to concentrada e presente na cena”, explica Patrycia.

Solteira, Patrycia afirma que nunca acreditou em relacionamentos eternos, mas acredita que isso causa estranheza nas pessoas. "Minha vida nunca foi montada em cima de um casamento, tem muita gente que acha que estar casado é a coisa mais importante na vida de uma pessoa, e eu não penso assim", conta a atriz.

"Para mim, é muito mais importante eu estar trabalhando em algo que goste, viajar; sabe o nome de uma peça de teatro chamada 'Não sou feliz, mas tenho marido'? Tem muita gente que pensa assim, que o fundamental é estar casada, e eu não", afirma Patrycia.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias