Bichos

Tubarões-baleia nadam com turistas no norte do México

Peixes brincam na boca do tubarão-baleia
Peixes brincam na boca do tubarão-baleia - Divulgação


O gigantesco tubarão-baleia é um companheiro de natação manso e amigável para dezenas de turistas que chegam à baía de La Paz, no noroeste do México, desejosos de viver esta experiência.

"São animais tropicais, muito mansos, por isso você pode nadar com eles, com uma velocidade máxima de cinco milhas por hora, ou seja, são muito lentos e também muito dóceis", explica Fabricio Mujica, que se dedica a organizar estes passeios.

Com a temporada de avistamento do tubarão-baleia (Rhincodon typus), que começou em outubro, a orla de La Paz se enche de visitantes que aguardam sua vez para subir em uma das lanchas em que são levados, em grupos de dez, para perto destes animais que, apesar do nome, não são cetáceos, mas peixes.

Sua anatomia impressionante, com nove metros de comprimento e nove toneladas, contrasta com seu temperamento dócil e fugidio, motivo pelo qual é necessário aproximar-se deles com delicadeza, desligando os motores das lanchas para evitar espantá-los.

Uma vez na água, os guias dão instruções precisas aos nadadores, para que saibam o quanto podem se aproximar dos animais. "É uma espécie muito suscetível às embarcações e aos barulhos também. Tem um olfato extremamente sensível, detectam qualquer químico ou óleo e saem fugindo, e isso é bom porque os mantém a salvo", diz Mujica.

As atividades de observação e nado são reguladas pelas autoridades ambientais do México, que fazem percursos de vigilância nas zonas de avistamento e sancionam as embarcações que infringem as normas de proteção desta espécie, que se move em grupos de 10 a 30 exemplares.

"A experiência de viver isso é muito difícil de descrever. Muito espetacular", comenta Eduardo Rodríguez, um turista da Cidade do México. "Oferecem um espetáculo muito particular para aqueles que vêm nadar com eles, e também muito seguro", conclui Mujica.

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem