Você viu?

Como turistas viraram uma ameaça à cidade de 'Game of Thrones'

Prefeitura está tomando medidas para controlar melhor o turismo e preservar a cidade
Prefeitura está tomando medidas para controlar melhor o turismo e preservar a cidade - Conselho de Turismo/Dubrovnik


Selo BBC Brasil

Em "Game of Thrones", a disputa pelo trono de ferro e a chegada do inverno são grandes ameaças à principal cidade da série, King's Landing. No mundo real, o perigo é outro. Em vez de dragões e zumbis, Dubrovnik, na Croácia, onde são filmadas algumas das principais cenas passadas na capital dos Sete Reinos, enfrenta problemas trazidos por hordas de turistas.

O alerta veio no ano passado, após uma inspeção da Unesco no seu centro histórico, conhecido como Cidade Velha. A organização detectou que a expansão do número de visitantes, especialmente aqueles vindos em cruzeiros, gera riscos para a conservação de monumentos e cobrou medidas da prefeitura.

Cercada pelas águas cristalinas do mar Adriático, a Cidade Velha é considerada desde 1979 um patrimônio da humanidade. Há igrejas, monastérios, palácios e fontes de estilos gótico, renascentista e barroco, tudo cercado por uma imensa muralha medieval

Esse local já resistiu a terremotos e às bombas lançadas na guerra pela independência da Croácia, no início dos anos 1990. Agora, precisa lidar com um volume insustentável de turistas que chegam à cidade na alta temporada, de junho a setembro, atraídos também por conhecer a locação de sua série preferida.

"A Cidade Velha foi um dos primeiros locais eleitos como patrimônio da humanidade. Antes, não havia tanto turismo, mas, recentemente, houve um grande aumento, especialmente por causa dos cruzeiros, que são cada vez maiores", diz Mechtild Rössler, diretora do Centro de Patrimônio Mundial da Unesco.

QUANTIDADE X QUALIDADE

Na última década, o número de visitantes mais do que dobrou: de 473,9 mil em 2006 para 1,01 milhão no ano passado, dos quais 748,9 mil vieram dos 529 cruzeiros que passaram pela cidade. Dois anos antes, eram 463 embarcações.

No período de maior procura, Dubrovnik, que tem 42 mil habitantes, chega a ter 25 mil turistas hospedados. A Unesco está trabalhando junto às autoridades locais para desenvolver formas de gerenciar melhor tantos visitantes.

Em janeiro, o então prefeito Andro Vlahusić anunciou um plano. Foram instaladas câmeras para monitorar a entrada e saída de visitantes da Cidade Velha e estabelecido um limite máximo de 8.000 pessoas presentes ali simultaneamente.

"Queremos qualidade em vez de quantidade", diz o novo prefeito, Mato Franković, que fez carreira na indústria de turismo e assumiu o cargo em junho. Ele diz que o monitoramento já permitiu compreender que a superlotação se dá normalmente entre 8h e 14h, em especial às terças, sextas e sábados.

Franković explica que ainda serão colocadas em prática medidas para reduzir de seis para dois o número de navios que chegam diariamente e estabelecer horários de entrada para excursões, que precisarão ser reservados com antecedência.

"Em vez do limite de 8 mil pessoas recomendado pela Unesco, queremos no máximo 4 mil pessoas na Cidade Velha em qualquer momento", diz o prefeito.

"Dubrovnik é uma das cidades mais bonitas do mundo, e muita gente quer visitá-la. Todos são bem-vindos, mas, se o limite for ultrapassado, será preciso vir em outro dia ou horário."

EFEITO 'DISNEYLÂNDIA'

De fato, o centro histórico da cidade croata e seu labirinto de vielas medievais é singular. Tem ruas de mármore liso e macio que reluzem com o sol durante o dia e, à noite, brilham na cor âmbar das luminárias de bares e restaurantes.

No fim de tarde, a revoada de andorinhas que toma os céus da cidade nos meses de calor em meio ao pôr do sol cria uma aura quase mágica. Mas os impactos do turismo podem ser sentidos por quem a visita entre a primavera e o verão do Hemisfério Norte, algo que já rende má fama a Dubrovnik.

Ao planejar uma viagem à Croácia, fui advertido por mais de uma pessoa sobre o problema. "Tem tanta gente que nem vou para lá", me disse uma turista francesa em Split, cidade mais ao norte na costa croata.

O excesso de visitantes gera um efeito "Disneylândia". É comum cruzar com excursões enormes. As ruas estreitas ficam lotadas, e parece haver nelas só visitantes --além de vendedores, guias turísticos e funcionários de hotéis e restaurantes.

Hoje, há pouco mais de 1 mil pessoas vivendo na Cidade Velha. Eram cerca de 5.000 moradores no início da década de 1990, mas eles venderam suas casas ou as transformaram em acomodações.

"Quando cheguei aqui", diz Mark Thomas, editor do jornal "The Dubrovnik Times", "eu parava para não passar na frente das pessoas que estavam tirando fotografias. Agora, são tantas que eu não conseguiria chegar a lugar nenhum se continuasse a fazer isso."

"Game of Thrones" tornou-se uma presença difícil de ignorar no centro histórico. A série passou a ser gravada na cidade em 2011. Atualmente, há lojas inteiras dedicadas ao programa da HBO , e fãs da série fazem tours para conhecer pessoalmente onde foram gravadas cenas-chave, como a escadaria da Caminhada da Vergonha da rainha Cersei, o local do Casamento Púrpura no qual o rei Joffrey morre envenenado e o porto onde se deu a Batalha da Baía de Blackwater.

RUÍNA OU EXAGERO?

O jornal britânico "The Telegraph" declarou em uma reportagem recente a "morte de Dubrovnik", dizendo que superlotação "arruinou" a cidade conhecida como "Pérola do Adriático".

A reportagem cita o alerta da Unesco ao mencionar que o status de patrimônio histórico da cidade estaria sendo revisto, algo que o organismo internacional nega. "Até hoje, isso só ocorreu duas vezes, quando os danos aos locais fizeram com que perdessem seu valor histórico", afirma Rössler.

"Há muitas etapas até algo assim ocorrer, e a primeira delas é o alerta, mas não vejo isso acontecendo com Dubrovnik no momento."

Romana Vlasić, diretora do conselho de turismo da cidade, acredita que esse sinal amarelo chega em boa hora, para fazer a cidade parar e refletir sobre seu sucesso. "Estamos no nosso limite. Ninguém se sente confortável de andar em uma multidão."

Uma estratégia adotada é promover a cidade em outras épocas do ano, fora da alta temporada. "Temos de organizar melhor os visitantes, ajustar o cronograma de cruzeiros, ter navios menores e rever a construção de hotéis, porque mais quartos trarão mais gente", afirma Vlasić. "Só assim seremos capazes de mostrar nosso melhor."

É uma questão delicada para uma cidade em que 70% da economia gira em torno do turismo. O prefeito diz que, por isso, restrições ao turismo demandam cuidado, mas são inevitáveis.

"No curto prazo, vão haver impactos para todos, mas, no futuro, isso vai fazer as pessoas que hoje evitam ou passam rapidamente pelo centro histórico ficarem mais tempo por lá", afirma Frankovi?, para quem as notícias sobre a ruína de Dubrovnik são um exagero. "Estamos cientes de que temos um pequeno problema e estamos buscando resolvê-lo. Dubrovnik resiste a adversidades há séculos. Ninguém nunca a destruiu nem o fará."

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem