Você viu?

TOP 5 - No Dia do Café, relembre 5 cenas em que a bebida roubou a cena

Lembrar um filme específico sobre café não é das tarefas mais fáceis, mas se a bebida não é personagem principal, ela é coadjuvante de luxo em vários longas.

Neste Dia Internacional do Café, curta cinco cenas em que o café brilhou tanto quanto os atores em cena, do clássico "Bonequinha de Luxo" (que já tinha "breakfast" no título) ao cultuado "Pulp Fiction: Tempo de Violência", de Quentin Tarantino, aliás o diretor guardou a cena em questão para ele. Confira, sem ordem de preferência.


Faça o que eu Digo, Não Faça o que Eu Faço (2008)

Nesta comédia americana, Paul Rudd  foi rude (desculpem o trocadilho) ao tentar "educar" a funcionária do café estilo Starbucks. Afinal, qual a diferença do "tall", do "grande" e do "venti"? Sobrou até para Fellini. 

Sobre Café e Cigarros (2003)

O italiano Roberto Benigni ficou um pouco empolgado após encher a cara de café antes de uma pequena reunião... Melhor por a culpa no café. 

​O Fabuloso Destino de Amelie Poulain (2001)

Quem disse que um café não pode acender a chama da paixão? A "casamenteira" Amelie deu um jeito pouco ortodoxo de usar a bebida para unir um casal.

Pulp Fiction - Tempo de Violência (1994)

Se um dia você parar na casa de um sujeito com a roupa toda suja de sangue, talvez seja o caso de elogiar o café para quebrar o gelo. Ao menos, foi o que Samuel L. Jackson pensou, mesmo diante do "gourmet" Tarantino.

Bonequinha de Luxo (1961)

Logo na cena de abertura, Audrey Hepburn, linda, para pela manhã em frente a Tiffany's, abre um pacote e saboreia o seu café e alguma guloseima francesa enquanto encara a loja, talvez um croissant. E tudo fica melhor ao som de "Moon River". Clássico.

Audrey Hepburn com seu café e um croissant no filme "Bonequinha de Luxo"
Audrey Hepburn com seu café e um croissant no filme "Bonequinha de Luxo" - Reprodução

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias