Publicidade

Qual é o problema com Luciano Huck?

04/03/2015 - 09h21

Publicidade

Poucos caras são mais esforçados do que Luciano Huck. Menos ainda têm o talento dele para lidar com a mídia e criar uma aura de sucesso a seu redor.

O programa "Caldeirão do Huck" está longe de ser um fenômeno de audiência. E no entanto, o apresentador é um dos recordistas em comerciais do Brasil. Seus negócios se espalham pelas mais diversas áreas. Dizem até que ele teria pretensões políticas.

Grife de Luciano Huck é acusada por internautas de incentivar pedofilia em estampa de camiseta

Se tem mesmo, está mais que na hora de Luciano Huck tomar tento na vida. Porque a sucessão de gafes que ele vem protagonizando começam a dar a sensação de que o buraco é mais embaixo.

Esta semana explodiu o escândalo da camiseta infantil "Vem Ni Mim que Eu Tô Facin", vendida pelo site Use Huck. O produto foi retirado da venda e um pedido de desculpas foi publicado rapidamente em seu lugar. O texto do comunicado está muito bom: ele não tenta "justificar o injustificável".

Falhas de comunicação acontecem o tempo todo, estagiários cometem bobagens, deslizes acontecem. Mas o caso dessa camiseta não é o único. Ele se junta a um rol de passos em falso que permite questionar: afinal, o que é que Luciano Huck tem na cabeça?

Estes foram alguns vexames só do ano passado:

Abril - o site "Use Huck" lança uma camiseta inspirada na "banana" com que Daniel Alves respondeu ao racismo da torcida, e é acusado de querer faturar em cima da polêmica.

Junho - Huck posta mensagem no Facebook convocando brasileiras a "encontrar gringos". Estava buscando candidatas para um novo quadro em seu programa. A repercussão foi tão negativa que o quadro foi cancelado.

Julho - Em entrevista a Galvão Bueno, Huck compara a derrota de 7 a 1 do Brasil para a Alemanha ao 11 de setembro. Seu interlocutor fica constrangido.

Novembro - Huck diz à tetraplégica Laís Souza que é "vantagem" poder fazer tatuagem sem sentir dor. A ex-atleta responde que não.

Cada um desses episódios não tem maior importância se observado isoladamente. Mas, vistos como um todo, compõem um retrato desalentador do apresentador.

Ele investe pesado em projetos sociais, e boa parte de sua atração na TV é dedicada a quadros de assistência aos desvalidos. Mas algumas de suas atitudes não só confirmam a imagem de "coxinha", como sugerem um cara sem um pingo de noção.

Huck talvez devesse contratar um novo assessor, ou mudar o time que trabalha em suas empresas. Também parece que está precisando fazer um curso de "media training" - o que é inacreditável para alguém que sempre foi hábil e está há tanto tempo em evidência.

Tony Goes

Tony Goes tem 54 anos. Nasceu no Rio de Janeiro, mas vive em São Paulo desde pequeno. Já escreveu para várias séries de humor e programas de variedades, além de alguns longas-metragens. E atualiza diariamente o blog que leva seu nome: http://tonygoes.blogspot.com

  • Últimas notícias 
  •  

Publicidade

Publicidade

gostou? leia também

  •  

Publicidade

Siga agora o F5 no Twitter

Livraria da Folha