Celebridades

Imprensa dos EUA volta atrás e diz que Pete Frates não morreu

Pete Frates, um dos criadores do desafio do balde do gelo
Pete Frates, um dos criadores do desafio do balde do gelo - Steven Senne-13.dez.2016/AP


Após a imprensa dos Estados Unidos anunciar a morte de Pete Frates, um dos criadores do desafio do balde de gelo, a informação foi desmentida pelo próprio norte-americano nesta segunda-feira (3).   

Em sua conta no Twitter, Frates publicou um vídeo negando sua morte e escreveu: "Como diz meu amigo Ed". Na gravação, ele aparece ouvindo a música "Alive" ("Vivo", em português"), do Pearl Jam.   

Com 32 anos, Frates sofre de Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), uma doença rara que causa a degeneração do sistema nervoso até levar o paciente à morte.   

Antes de descobrir a doença, Frates jogava beisebol no Lexington Blue Sox, em Boston. Na época, o norte-americano percebeu que havia algo errado com seu corpo após receber uma bolada no pulso. A doença foi descoberta em 2012.

Dois anos depois, o jogador de golfe Chris Kennedy desafiou uma prima cujo marido sofria de ELA a jogar sobre o corpo um balde de gelo em troca de uma doação. Frates ficou sabendo do vídeo pelas redes sociais e enxergou naquilo uma forma de impulsionar as pesquisas sobre a cura da doença.

Desde então, ele e outras pessoas ligadas à causa passaram a divulgar o desafio no qual as pessoas teriam que doar dinheiro para estudos sobre a enfermidade ou tomar um banho de gelo. A campanha se tornou viral após Mark Zuckerber, criador do Facebook, divulgar o vídeo.

Diversas personalidades do mundo inteiro participaram da iniciativa e tomaram banho de gelo. Entre elas estão o cantor Justin Bieber, a top model Gisele Bundchen, o fundador da Microsoft Bill Gates, o craque português Cristiano Ronaldo, entre outros.   

Na ocasião, cerca de 28 milhões de usuários aderiram à iniciativa, segundo o Facebook. De acordo com um comunicado oficial divulgado no site da ALS Association à época, mais de US$ 15 milhões foram arrecadados em menos de um mês. 

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem