Celebridades

Com presenças de Pabllo Vittar e Catra, 'Oscar' do pornô pede notoriedade e respeito

Entrega do premio sexy hot - 4ª edicao - pabllo vittar - credito: Deividi Correa/AgNews ***DIREITOS RESERVADOS. NÃO PUBLICAR SEM AUTORIZAÇÃO DO DETENTOR DOS DIREITOS AUTORAIS E DE IMAGEM***
Pabllo Vittar participa do 4º Prêmio Sexy Hot - DANNYELLE MELLYSSA NOVAES


Tapete vermelho, flashs profissionais, selfies amadoras, curiosos na porta e mulheres se equilibrando em saltos altíssimos. Com toda pompa possível, aconteceu na noite desta terça (6), em São Paulo (SP), a quarta edição do Prêmio Sexy Hot, o "Oscar" do pornô no Brasil.

Pelo segundo ano consecutivo, Leo Jaime comandou a atração. "Em tempos de Lava Jato, em que se discute muito quem deve ter foro privilegiado, aqui a gente fala de quem teve o furo premiado", disse o cantor, arrancando risos da plateia.

Mas nada de políticos. Por lá, é a voz do povo que manda: das 17 categorias, 13 foram decididas pelo voto popular (confira a lista abaixo). A cargo do júri técnico, formado por Rafinha Bastos, Mariana Baltar, Stanlay Miranda e Paulo Cursino, ficaram as decisões de Melhor Diretor, Melhor Filme Hétero, Melhor Cena Homo Feminino e Melhor Cena Transexual.

As estatuetas foram entregues por celebridades como o cantor de funk Mr Catra, a drag Pabllo Vittar, que integrou a banda do programa "Amor e Sexo", da Globo, e o carnavalesco Milton Cunha. A atriz Paty Kimberly, recordista da premiação com cinco troféus, desta vez saiu com apenas dois nas mãos.

A CERIMÔNIA

Leo Jaime não é comediante, mas fez sua apresentação marcada por trocadilhos de cunho sexual.

O repertório, entretanto, pareceu batido. Jaime abriu a cerimônia dizendo "Vocês nos dão prazer o ano inteiro, chegou a hora de retribuir". Em 2016, o ator João Vicente de Castro, ao anunciar um dos vencedores, fez piada parecida: "É um prazer estar aqui com vocês, que já me deram tanto prazer".

Ao chamar Pablo Vittar para uma das entregas, o apresentador disse que a drag era transexual. "Leo, eu sou drag, não sou trans, você faltou nessa aula", respondeu bem humorada.

Nos derradeiros finais, coube ao funkeiro Mr Catra anunciar o vencedor da principal categoria, de "Melhor Diretor" --o "Titanic do sexo", na comparação de Jaime. A estatueta foi para Marco Cidade por seu trabalho em "Player".

Anunciado com destaque e muito tietado, a passagem de Catra pelo palco, entretanto, foi breve e direta. Não teve canto, mas teve sua característica gargalhada.

O CINEMA PORNÔ PEDE RESPEITO

Para o diretor Maurício Paletta, o maior desafio do evento é fomentar a indústria de filmes adultos e trazer mais qualidade para as produções. "A disputa pela estatueta dá um 'upgrade'. Aí, as produtoras se atentam mais a estética, procuram gravar com uma luz melhor, com um elenco melhor, com um figurino melhor".

Nas palavras de Jaime, o setor precisa sair do obscuro. "O prêmio vai se solidificando e dando ao pessoal que produz a notoriedade e o respeito que merecem".

Uma vez revelado o ganhador, os discursos foram breves e monotemáticos. Com microfone em mãos, além de agradecimentos pontuais, um pedido uníssono: o reconhecimento de que fazer pornô é trabalho sério e de que não há razão para escondê-lo --reivindicação antiga do setor.

"Eu já trabalhava com sexo, mas sem mostrar o rosto quando decidi aceitar propostas no cinema pornô. Foi difícil o processo de me assumir, mas, quando consegui, foi uma libertação", disse Emme White, a estrela da noite, que conquistou quatro, das cinco indicações que teve.


“AND OSCARS GOES TO…”

Melhor cena de sexo oral

Emme White e Erick Fire ("Desejos Femininos") 

Melhor cena de sexo anal

Elisa Sanches e Yuri ("Sexy Blonde")

Melhor cena de DP

Ana Julia, Eduardo Lima e Jack Kallahari ("Molhadinhas e Meladinhas 2") 

Melhor cena de orgia/gang bang

Emme White, Mel Fire, Angel Lima, Fabi Thompson e Paty Kimberly ("Orgasmos Múltiplos")

Melhor cena de ménage

Grazy Moraes, Sol Soares e Renan Cobra ("As Aventuras de Grazy")

Melhor cena de fetiche

Nego Catra e Sandy Cortez ("Masturbatrix 9")

Melhor atriz hétero

Paty Kimberly ("Uberxxx da Paty") 

Melhor ator hétero

Loupan ("Casa da Mãe Joana") 

Melhor atriz transexual

Carol Penélope ("Gang Bang com Carol"

Melhor ator homo masculino

Kaleb ("O Tímido da Sauna")

Melhor atriz homo feminina

Emme White ("Festival Bucetal")

Revelação do ano LGBT

Mel Fire ("Orgasmos Múltiplos")                                         

Revelação do ano hétero

Elisa Sanches ("Abundância")                      

Melhor cena homo feminina

Emme White e Grazzie ("Sessões de Fetiche 3")

Melhor cena transexual

Grazi Cinturinha, Victoria Carvalho e Erick Fire ("Doutor Ponha no meu Rabo Por Favor")

Melhor filme hétero

"Loucuras de Casal", de André Garcia

Melhor diretor

Marco Cidade, de "Player"


CURIOSIDADES DE 21 ANOS DO CANAL SEXY HOT

54% dos assinantes são mulheres --”até mamãe assina”, diz o canal

 70% das pessoas que trabalham no Sexy Hot são mulheres

 O ator recordista em aparições na programação do canal é Tony Tigrão --210 filmes

 O fetiche preferido é o de dominação

Já foram ejaculados uma média de 70 litros de esperma --em 21 mil gozadas

No total, os atores já queimaram uma média de 12, 2 milhões de calorias, o que geraria energia suficiente para acender mais de 850 mil lâmpadas de 60 watts

Os termos mais buscados no site são “nacional”, “anal” e “lésbicas”

Uma pessoa levaria 290 dias para ver todo o acervo do canal de uma só vez

O canal contabiliza mais de 180 mil horas de sexo

Fonte: Canal Sexy Hot

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem