Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Você viu?

Cientistas descobrem animal com o maior número de patas no planeta: 1.306

Bichinho é australiano, cego, vive sob a terra, e mede menos de um centímetro

Animal descoberto na Austrália tem mais de 1.306 patas
Animal descoberto na Austrália tem mais de 1.306 patas - Reprodução
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Um pequenino animal descoberto em um buraco na Austrália é o atual recordista mundial em número de patas. Trata-se do Eumilipes persephone, um artrópode de 1.306 pernas que se assemelha a uma corda em cor, formato e segmentação, mas não chega nem a um centímetro de comprimento.

A descoberta dele foi publicada nesta quinta (16) na revista acadêmica Scientific Reports por um grupo de biólogos. Ele é o único animal já visto que faz jus ao termo "milípede" (que significa "mil pernas"), já que o dono anterior do recorde, o Illacme plenipes, tinha apenas 750 patas.

No artigo, os pesquisadores destacam que, embora tenha sido nomeado há pouquíssimo tempo, o Eumilipes p. já está ameaçado. A espécie foi encontrada em um buraco criado para mineração em uma área rica em minérios preciosos, como ouro; a extração, no entanto, é muito prejudicial a animais subterrâneos.

Também por seu habitat, o bicho não possui olhos. As antenas são sua única forma de perceber o mundo ao seu redor, e suas pequeninas, mas numerosas pernas são ideais para locomoção no terreno. O biólogo Bruno Buzatto, coautor do estudo, falou sobre o animal à Reuters.

"Na minha opinião, este é um animal surpreendente, uma maravilha da evolução. Ele representa o alongamento mais extremo já visto em milípedes, que foram os primeiros animais a conquistar o solo", explica. Cientistas acreditam que a vida animal começou no mar e, ao longo de muitos anos, expandiu-se para a terra.

Os biólogos acreditam que o artrópode encaixe os pés em pequenas fissuras no solo arenoso para andar. As fêmeas também possuem mais patas: dos quatro animais descritos no estudo, duas eram fêmeas, com 1.306 e 998 pernas; e dois eram machos, com 818 e 778.

O número varia porque, enquanto crescem, eles trocam a camada exterior da pele, ganhando mais pernas no processo. Por conseguir chegar a mais de mil patas, o nome escolhido pelos cientistas significa "mil pernas verdadeiras" (Eumilipes). Já o "persephone" faz referência à deus grega do submundo, Perséfone.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem