Você viu?

Pescador encontra 'vômito de baleia' avaliado em quase 7,5 milhões

Ele achou 30 kg de substância que é valorizada na indústria de perfumes

0
O pescador Narong Phetcharaj exibe o vômito de baleia Narong Petcharat - Reprodução/KameraOne
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O pescador Narong Phetcharaj espera ver sua vida mudar após uma recente passagem pela praia de Niyom, na Tailândia. Segundo contou ao jornal britânico Daily Mail, ele viu um objeto estranho flutuando no mar e decidiu chegar mais perto para ver o que era.

Ele levou a massa de textura cerosa para casa e, depois, pediu para ela ser analisada por especialistas. Tratava-se de "vômito de baleia", que depois de algum tempo, se transforma em âmbar cinza.

O produto é muito valorizado por ser usado na fabricação de perfumes. Cada quilo de âmbar cinza pode chegar a custar cerca de R$ 260 mil. Como ele achou 30 kg da substância, pode chegar a arrecadar mais de R$ 7,5 milhões com a venda.

Até a descoberta, a renda média dele era equivalente a R$ 1.492. "Nenhum dos aldeões jamais viu ou tocou um âmbar-gris [como também é chamada a substância] real de baleia antes, por isso todos estavam felizes", disse Phetcharaj à publicação.

"Estou tão animado que não sei o que fazer. Pretendo vender o âmbar gris porque já recebi um certificado que prova que é real", afirmou. "Se eu conseguir um bom preço, vou parar de trabalhar como pescador e dar uma festa para os meus amigos."

O âmbar cinza é produzido pelas cachalotes, mamífero marinho semelhante às baleias. O "vômito" é uma secreção que ela expele para facilitar a passagem de objetos grandes ou pontiagudos pelo sistema digestivo. É essa substância que se solidifica e fica flutuando no oceano.

Inicialmente, o "vômito" tem cheiro desagradável. Porém, depois que seca ele passa a ter uma fragrância doce, apreciada na indústria de perfumes também por sua durabilidade.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem