Você viu?
Descrição de chapéu Natal

Barrado em shoppings e chaminés, Papai Noel entra nos lares via aplicativo

Empresa criou alternativa de inteligência artificial para atualizar tradição

Papai Noel usa celular enquanto espera visitas em shopping nos EUA
Papai Noel usa celular enquanto espera visitas em shopping nos EUA - Mark Makela-14.nov.2020/Reuters

Papai Noel não pode se reunir com as crianças nos shopping centers neste ano, mas elas podem lhe passar sua lista de desejos de Natal em uma videochamada em casa. A empresa de tecnologia Storyfile criou uma alternativa de inteligência artificial para a tradição de fim de ano: um site interativo no qual o Papai Noel responde perguntas como se estivesse presente em pessoa.

“A base de dados tem cerca de 180 a 200 perguntas, então elas podem lhe perguntar bastante coisa”, disse a executiva-chefe da Storyfile, Heather Smith. “A pergunta número 1 até agora é ‘estou na lista dos travessos ou dos bonzinhos?’, é claro”.

Normalmente, a Storyfile grava entrevistas em vídeo com pessoas notáveis, como cientistas, astronautas, ícones dos direitos civis e sobreviventes do Holocausto. Depois as respostas são ativadas por voz em um aplicativo para criar uma interação quase perfeita com o usuário.

Funcionários da Storyfile testaram o aplicativo com crianças antes de lançarem o site AskSanta.com, que funciona ao vivo até a véspera de Ano Novo.

“As crianças, até agora, ficaram maravilhadas”, disse Smith. “Elas realmente acham que ele está no FaceTime, ou algo assim, com elas, e essa é a ideia, certo? Elas são adoráveis. Eu adoro todas as reações.”

O Papai Noel já respondeu várias perguntas sobre a pandemia. “Se uma criança me pergunta ‘Papai Noel, existe alguma chance de você pegar o coronavírus?’, eu lhes digo, como a todo o mundo, que faço exatamente o que devo fazer”, disse ele. “Uso luvas, lavo as mãos, mantenho a distância social, uso máscara. Só reitero as coisas importantes que elas estão ouvindo constantemente.”

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem