Você viu?

Indiano é acusado de matar ursos e comer pênis como afrodisíaco

Vesícula biliar de urso-preguiça, que suspeito também retirava, é usado pela medicina chinesa e vale muito no comércio ilegal
Vesícula biliar de urso-preguiça, que suspeito também retirava, é usado pela medicina chinesa e vale muito no comércio ilegal - BBC News Brasil/Getty Images
Descrição de chapéu BBC News Brasil

A polícia da Índia anunciou a prisão de um caçador suspeito de matar diversos ursos-preguiça e de comer os pênis dos animais.O  suspeito, identificado como Yarlen, era procurado havia anos pela polícia. Ele foi detido no último dia 19 no Estado de Gujarat (oeste indiano), após 12 tentativas frustradas de prendê-lo.

Yarlen é integrante da tribo nômade Pardhi-Behelia, que acredita que o órgão sexual do urso-preguiça é um alimento afrodisíaco, segundo Ritesh Sirothia, do departamento de florestas do Estado indiano de Madhya Pradesh, no centro do país.

Esse grupo vive tradicionalmente em florestas e caça como modo de sobrevivência. A Índia proíbe a caça de animais selvagens, e o veto vale também para comunidades tribais. Mas parte delas mantém a tradição de caçar em florestas. O governo da Índia afirma que atua para oferecer alternativas econômicas para essas tribos, mas muitas ainda continuam vivendo à margem da sociedade.

Polícia afirma que Yarlen caçava ursos-preguiça e tigres, além de outros animais ameaçados de extinção
Polícia afirma que Yarlen caçava ursos-preguiça e tigres, além de outros animais ameaçados de extinção - BBC News Brasil/MP WILDLIFE STF

Segundo as autoridades, Yarlen é considerado um dos mais notórios caçadores envolvidos com o comércio ilegal de tigres no país, e atua nesse segmento desde os 15 anos. Ele é suspeito de ligação com a caça e a venda de animais selvagens ameaçados de extinção, incluindo tigres, nas regiões central e oeste da Índia.

Segundo a polícia, Yarlen usava identidades falsas para escapar das autoridades. Não há informações oficiais sobre o depoimento do suspeito, que ainda não tem advogado, e nem se ele negou ou não as acusações.

"Montamos um grupo especial para rastreá-lo e prendê-lo. Foi nossa busca mais longa, durou seis anos", afirmou Sirothia, que liderou a força-tarefa montada para encontrar o suspeito.

Yarlen foi preso pela primeira vez em 2013 depois que a polícia encontrou duas carcaças de ursos-preguiça sem pênis nem vesícula biliar no Parque Nacional de Kanha, reserva de tigres no Estado de Madhya Pradesh.

Ele passou um ano na prisão até sair em liberdade condicional e fugir. A bile do urso, produzida no fígado e armazenada na vesícula biliar, tem sido usada na tradicional medicina chinesa por centenas de anos e tem um preço elevado no mercado internacional ilegal.

BBC News Brasil
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Mais lidas