Você viu?

Cidade alemã oferece 1 milhão de euros para quem provar que ela não existe

Piada que Bielefeld não existe surgiu na internet há 25 anos e se popularizou na Alemanha

Praça do antigo mercado de Bielefeld
Praça do antigo mercado de Bielefeld - DW/imago/ecomida/R. Fishman
Descrição de chapéu Deutsche Welle
Chase Winter

Piada que Bielefeld não existe surgiu na internet há 25 anos e se popularizou na Alemanha. Para comemorar data, prefeitura lança concurso. Brincadeira é semelhante a brasileira sobre a existência do Acre.

A cidade alemã de Bielefeld está oferecendo 1 milhão de euros (R$ 4,5 milhões) para quem provar a teoria conspiratória de que a cidade de 300 mil habitantes, localizada no noroeste do país, não existe.

Buscando acabar com a teoria de conspiração de longa data e atrair publicidade, o prefeito de Bielefeld, Pit Clausen, afirmou que quer dar àqueles que acreditam na piada "mais uma oportunidade justa e generosa" para provar que a cidade de quase 800 anos é apenas uma ilusão.

A teoria de conspiração sobre Bielefeld surgiu na internet em 1994, quando o estudante de computação Achim Held fez uma brincadeira sobre a inexistência da cidade, que não é conhecida por nada em particular.

A brincadeira se espalhou na internet. Um grupo chamado sie, ou eles em alemão, chegou a criar uma ilusão imaginária da cidade. Desde então, o município aproveitou a piada em propagandas e até a chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, certa vez brincou, durante uma visita a Bielefeld, que a cidade realmente existia.

Provas de que a cidade não existe podem ser enviadas até 4 de setembro pelo site do concurso. "Estamos ansiosos com as inscrições criativas e temos 99,99% de certeza que poderemos refutar qualquer alegação", afirmou o diretor de Marketing do município, Martin Knabenreich.

Além do concurso, Bielefeld planejou uma festa para comemorar os 25 anos da piada sobre sua existência. O criador da teoria de conspiração é um dos convidados. Held afirmou que ficou surpreso com a dimensão que sua sátira tomou.

DW
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem