Você viu?

A ex-miss que ganhou na loteria e usa dinheiro para ajudar os outros

A ex-modelo Rachel Lapierre, que ganhou na loteria e criou uma organização de caridade no Canadá para ajudar os outros
A ex-modelo Rachel Lapierre, que ganhou na loteria e criou uma organização de caridade no Canadá para ajudar os outros - AFP


Selo BBC Brasil

A canadense Rachel Lapierre foi modelo, dona de agência de modelos e enfermeira. Mas, o que queria mesmo fazer era seguir os passos de seu ídolo, a Madre Teresa de Calcutá, e se dedicar integralmente ao trabalho voluntário.

Em 2013, ela viu o destino bater à sua porta quando ganhou o prêmio da loteria "Gagnant à vie", ou "vencedor para a vida", de Montreal: um "salário" vitalício de mil dólares canadenses por semana (52 mil ao ano, o que dá o equivalente a R$ 11 mil por mês).

"Em um primeiro momento eu não acreditei, mas não comemorei nem gritei do terraço porque eu havia feito uma promessa ao universo e estava disposta a cumpri-la", diz. "Eu queria fazer alguma coisa que eu amasse para o resto da vida. Queria ajudar os outros."

Levou dois meses para que Rachel largasse seu emprego como enfermeira e lançasse sua própria organização de caridade, a Le Book Humanitaire. A entidade, localizada em Saint-Jerome (a 60 km e Montreal) usa as mídias sociais para conectar pessoas que precisam de ajuda com aquelas que podem ajudá-las.

Na sua página do Facebook, que tem 22 mil seguidores, as pessoas em dificuldade relatam suas necessidades; quem deseja ajudar pode informar as coisas ou serviços que podem doar.

"Vamos dizer que você tenha roupas para doar. A gente coloca você em contato com a família que precisa dessas roupas e deixamos que você dê a eles você mesmo", explica Rachel. "Não é apenas sobre coisas materiais. Você pode acabar levando um paciente com câncer a uma consulta."

MUNDO DE GLAMOUR

A antiga carreira de Rachel no mais glamuroso --e alguns podem dizer, consumista-- mundo das modelos está bem no passado. No início dos anos 1980, ela entrou para uma agência de modelos onde foi encorajada a disputar o concurso de beleza Miss Quebec. Para sua surpresa, ela, então com 21 anos, ganhou a disputa.

"Eu achava que ser modelo era para loiras altas de olhos azuis e eu era baixa e morena. Mas eu fiquei tão feliz de ter entrado para esse mundo, foi uma ótima experiência." No ano seguinte ela conseguiu viajar pelo Canadá como Miss Quebec e até conseguiu conhecer o primeiro-ministro da província de Quebec na época, Rene Levesque.

Isso a inspirou a criar sua própria escola de modelos em 1984, com dez pessoas trabalhando, para ensinar jovens mulheres a construir suas carreiras na indústria. "Tocar o meu próprio negócio me ensinou sobre contabilidade e como gerenciar funcionários", diz Rachel.

Ela fechou o negócio no fim dos anos 1980 para se dedicar aos quatro filhos e ao trabalho voluntário. Ela fez várias viagens com organizações humanitárias, para lugares como a Índia e o Haiti.

AJUDANDO O OUTRO

Foi essa paixão que a fez criar a Le Book Humanitaire há quatro anos. Neste ano, a entidade promoveu mais de 15 mil ações diretas no Quebec, de mobiliar um apartamento para uma família de refugiados sírios a achar uma casa para uma sem-teto com dois recém-nascidos.

Rachel fundou sozinha a organização, que hoje conta com 10 voluntários em período integral e um conselho, investindo 70 mil dólares canadenses (cerca de R$ 179 mil).

"Esse dinheiro semanal de mil mil dólares canadenses (cerca de R$ 2.560) que ganhei da loteria me permitiu não ter que ir mais trabalhar e financiar minha organização", conta Rachel. "Pago o aluguel do escritório e outros custos administrativos."

Mesmo assim há limitações no orçamento. Após ela ter dado uma entrevista para uma emissora canadense, o número de seguidores da Le Book Humanitaire saltou de 4.000 para 22 mil seguidores. Com isso, também aumentaram as solicitações de ajuda, assim como a de doações, e a organização sofreu para se manter.

Foi preciso mais espaço para guardar as doações, e a ex-modelo não podia bancar isso sozinha. "Estamos contando com alguns municípios para nos emprestarem escritórios e fazerem doações", conta. "Sempre tem um jeito de fazer as coisas acontecerem."

ALIMENTO PARA A ALMA

Jean-Pierre Tchang, fundador da entidade Iris, que ajuda pessoas com deficiência visual, diz que é difícil construir uma organização de caridade."O mais difícil é ter dinheiro e conseguir recursos" diz Tchang, que trabalhou com Rachel quando ela começou sua trajetória no serviço voluntário.

"Você também tem que saber seus limites. Você fica tocado com o trabalho e acaba se esquecendo de si mesmo. Tenho certeza que as noites da Rachel são curtas."

Apesar dos desafios, Rachel não dá sinais de diminuir o ritmo. Ela está fazendo um workshop sobre como gerenciar organizações sem fins lucrativos para melhorar seu desempenho.

O trabalho, que não é igual ao de tocar um negócio tradicional, continua lhe dando muitas alegrias, diz. "Alimenta minha alma." "O trabalho voluntário vale bilhões de dólares não contabilizados mundo afora. Sem isso, o mundo não funcionaria."

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem
[an error occurred while processing this directive]