Você viu?

Itamaraty confirma veto a visto de instrutor acusado de violência contra mulheres

Selo BBC Brasil

Conforme a BBC Brasil adiantou na noite da última quarta-feira (12), o Ministério das Relações Exteriores confirmou ter elementos suficientes para recomendar a negação do visto de permanência ao suíço Julien Blanc no país.

Em nota, o Itamaraty ressalta que até o momento não há registro de pedido de visto.

Diplomatas dizem que Julien Blanc, o 'instrutor de sexo', não pode entrar no Brasil

"Caso uma solicitação de visto seja recebida por qualquer Embaixada ou Consulado no exterior, já existem elementos suficientes que recomendam a denegação. Para tanto, o Itamaraty acompanha o assunto em coordenação com o Ministério da Justiça e a Secretaria de Políticas para as Mulheres", diz o texto.

O ministério também confirmou que instruiu suas representações diplomáticas e consulares pelo mundo a entrar em contato com Brasilia em caso de pedido de entrada no país, conforme adiantado pelo #SalaSocial.

PETIÇÃO

O caso ganhou visibilidade por meio de uma petição no site Avaaz contra a vinda de Blanc. Em menos de dois dias, ela ultrapassou 295 mil assinaturas.

O rapaz é instrutor executivo da Real Social Dynamics, empresa norte-americana que ensina métodos considerados machistas e pautados por violência, intimidação e humilhação por meio de palestras e vídeos destinados a homens solteiros em busca de mulheres.

A empresa retirou de seu site a página em que permitia que clientes pagassem adiantado para participar de palestras do suíço em território nacional, anteriormente marcadas para os dias 22 e 25 de janeiro do ano que vem, em Florianópolis, e 29 a 31 do mesmo mês, no Rio de Janeiro, em locais sigilosos.

Pelas aulas, era cobrado o valor de US$ 2,5 mil.

Crédito: Reprodução/Facebook O "guru da pegação" Julien Blanc
O "guru da pegação" Julien Blanc

As técnicas ensinadas em seus vídeos vão desde beijos à força até puxar a cabeça de mulheres em direção a região genital masculina. Blanc também sugere que rapazes ignorem quando mulheres dizem não às investidas sexuais e promete métodos para "ativar a prostituta que existe dentro delas".

Para atrair companheiras, ele ainda sugere táticas como fazer com que elas peçam eu dinheiro, diminuir sua autoestima e fazer com que elas tenham medo.

Sobre as informações, Blanc ironiza: "É ofensivo, inapropriado, emocionalmente assustador, mas efetivo", diz, em seu site.

REPÚDIO

Também em nota, a Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (SPM-PR) afirmou ser "radicalmente contra qualquer tipo de violência contra as mulheres e pela defesa dos direitos delas".

No texto, a pasta afirma que os "conteúdos das atividades [de Julien Blanc] são considerados sexistas e racistas".

Segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, estima-se que mais de 143 mil mulheres podem ter sido estupradas em 2013 no Brasil (o número oficial fica em torno de 50 mil, mas a subnotificação do crime aponta para um total muito superior). De acordo com a secretaria, os cerca de 50 mil casos registrados indicam "que se teria um estupro a cada 10 minutos no país".

"A SPM-PR é contra, portanto, quaisquer cursos, investimentos e outras atividades que promovam essas atitudes. As quais, inclusive, levaram esse senhor a ser expulso da Austrália. A SPM-PR informa ainda que solicitou providências cabíveis ao Exmo Sr. José Eduardo Cardoso, Ministro de Estado da Justiça", finaliza.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias