BBB20

BBB 20: Vice-presidente da Mangueira chama Thelma de mucama e é criticada

Guanayara Firmino diz que chamava atenção ao racismo estrutural

Thelma (à esq.) e Marcela
Thelma (à esq.) e Marcela - Globo
São Paulo

A vice-presidente da Mangueira, Guanayara Firmino, usou as redes sociais para se posicionar contra Thelma, participante do Big Brother Brasil 20 (Globo). Em sua página do Facebook, ela usou um fundo de emojis de cocô e escreveu: "Thelma, safada! Mucama fdp!".

Alguns amigos de Firmino reforçaram a posição dela. Um deles publicou o significado da palavra mucama, endossando a opinião da líder da escola de samba. "Escrava ou criada negra/que vivia mais próxima dos senhores, ajudava nos serviços caseiros."

Nas redes sociais, fãs da Mangueira se mostraram decepcionados. Grande parte do público lembrou que a agremiação desfilou com um Jesus Cristo negro no Carnaval deste ano. "Mucama safada não ofende apenas Thelma, como também todas as mulheres pretas", escreveu uma das internautas.

Em comunicado enviado à imprensa, a vice-presidente disse que ficou surpresa com a repercussão de sua publicação que foi feita em um post fechado apenas para os seus amigos para a rede social. Ela disse ainda que escreveu aquilo no calor da emoção e que ela retrata a sua "indignação pelo preconceito estrutural do país que faz com que alguém tenha o apelido de 'Babu', de babuíno, porque quando criança era chamado assim, e que faz com que os negros não se protejam e se cuidem quando são alvejados por atitudes preconceituosas como tem acontecido no programa."

A vice-presidente explica que a sua postura foi motivada por sua "indignação contra preconceitos de qualquer natureza" e que a opinião dela não representa "qualquer opinião/posicionamento da Estação Primeira de Mangueira ou como membro da diretoria da escola".

​A própria Mangueira informou, por meio de nota, que a opinião da vice-presidente não retrata a visão da escola. A equipe de Thelma usou o perfil da participante para rebater a questão. "Ela deveria se envergonhar de ter falado e não com a repercussão. A pessoa a frente de uma escola grande, que aborda temas essenciais. Vem, fala um trem desses e diz que a página é dela e ela fala o que quer. Internet não é terra sem lei e eu espero que ela saiba disso."

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem