BBB20

BBB 20: Petrix pede desculpas a Bianca Andrade e Flayslane após ser acusado de assédio

Internautas querem expulsão do ginasta

Petrix deixa o quarto do líder
Petrix deixa o quarto do líder - Globo/Divulgação
São Paulo

Acusado de assediar Bianca Andrade, a Boca Rosa, novamente, e de roçar a genitália em Flayslane, Petrix Barbosa pediu desculpas a sisters, na noite desta quinta-feira (30), no Big Brother Brasil 20.

As atitudes do ginasta provocaram reação de internautas, que pedem nas redes sociais a expulsão do brother. As hashtags #petrixspulso (o correto seria expulso) e #petrixassediador estão nos assuntos mais comentados do Twitter nesta quinta-feira (30).

Após toda a polêmica fora da casa, no início da noite, o ginasta conversou com Boca Rosa e Flayslane. Além de pedir desculpas, ele perguntou se fez algo que as ofendeu.

"Se eu te ofendi, peço desculpas", afirmou Petrix para a cantora. "Você é um anjinho, já falei para você. Tá tranquilo", respondeu ela. 

"Tenho certeza que não fiz [nada]. Se algum dia alguém fizer algo desrespeitoso, vocês não vão tolerar", disse ele.

Bianca Andrade afirmou que, às vezes, o jeito de Petrix dançando passava do limite. 

Nas redes sociais, internautas comentavam que o ginasta deve ter sido chamado ao confessionário para se manifestar sobre o assunto. Se isso aconteceu, porém, não foi mostrado na transmissão 24 horas da casa. 

Ao deixar o quarto do líder, Petrix também pediu desculpas "ao Brasil". "Desculpa, Brasil. Se eu dancei demais, se eu rebolei demais, se eu brinquei demais.."

"Já expulsaram pessoas no BBB por muito menos. Acho que não querem acabar com a carreira do Petrix, sendo que ele mesmo já acabou com ela", escreveu um internauta. 

Outro comentou:  "Gente, assédio não é só quando a pessoa faz a denuncia, é quando está explícito e várias outras [pessoas] estão falando numa rede social."

ENTENDA

Um vídeo da festa da madrugada desta quinta-feira (30) mostra Petrix esfregando o quadril em Boca Rosa durante um abraço. Em outro momento, o ginasta se aproximou de Flayslane quando eles estavam conversando na sala. Ele estava em pé, e ela sentada no chão.

O atleta, então, começou a rebolar na cabeça da participante com uma expressão que sugeria tesão. 

Antes disso, Barbosa já tinha sido acusado por internautas de pegar nos seios de Boca Rosa durante a primeira festa do reality, que aconteceu na sexta-feira (24). O público, na ocasião, já pedia a expulsão do ginasta. 

O apresentador Tiago Leifert mencionou a polêmica após a primeira festa. Boca Rosa foi chamada ao confessionário e questionada sobre os fatos, ela disse que se lembrava de ter dançado um xote com Petrix e que ele a abraçou no final da música. Após ser questionada se em algum momento havia se sentido incomodada com a abordagem do atleta, a blogueira foi categórica ao afirmar que não houve assédio, apenas uma tentativa do ginasta em animá-la. 

Após o depoimento, a produção decidiu manter o ginasta no programa.

Em entrevista à colunista Fábia Oliveira, do jornal O Dia, a namorada do atleta, a modelo alemã Joline Heitmann, o defendeu. "Tudo que eu posso dizer é que sempre estarei esperando por ele. Não importa o que as pessoas digam, eu estarei ao lado dele. Eu o conheço melhor que a mim mesma e ele é a melhor pessoa que eu conheço. Isso não é assédio. É tudo que vou dizer."

GINASTA JÁ ACUSOU TREINADOR DE ASSÉDIO

Petrix já esteve do outro lado, e acusou o seu treinador de assédio. Em 2018, o ex-técnico da seleção brasileira de ginástica Fernando de Carvalho Lopes foi afastado de todas as atividades no Clube de Campo Mesc, após relatos de ginastas e ex-ginastas que o acusaram de abuso sexual.

Segundo reportagem do Fantástico, da TV Globo, 42 pessoas disseram ter sido vítimas de abuso físico, moral ou sexual pelo ex-treinador. A reportagem partiu de um comentário no Facebook feito pelo ginasta Petrix Barbosa, ouro nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, em 2011, indicando a ocorrência de casos de abuso na ginástica brasileira.

De acordo com a matéria, os casos ocorreram ao longo de 15 anos, entre 2001 e 2016, a maior parte deles no clube Mesc, onde Lopes trabalhava.

Petrix relatou ter sido vítima de tentativas de abuso quando tinha dez anos. Segundo o ginasta, que afirmou ser um dos que mais sofreram com as investidas de Lopes, o técnico tomava banho com ele e chegava a dormir na mesma cama. “Já acordei com ele, não sei quantas vezes, com a mão na minha calça e eu conseguia tirar e dormir porque eu não ficava parado."

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem