Televisão

Atriz portuguesa de 'Nazaré', Carolina Loureiro diz se inspirar em Alice Braga

Namorada de Vitor Kley afirma estar contente por trama ser exibida no Brasil

A atriz Carolina Loureiro interpreta Nazaré, personagem-título da novela portuguesa

A atriz Carolina Loureiro interpreta Nazaré, personagem-título da novela portuguesa Divulgação

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Assim que soube que a novela portuguesa "Nazaré" seria exibida no Brasil, a atriz Carolina Loureiro, 28, que faz a personagem-título da trama, ligou para contar a novidade ao namorado brasileiro, o cantor Vitor Kley, 26.

"Para nós é muito importante, é um privilégio passar aí [Brasil], porque admiramos tanto as vossas produções, a vossa ficção, o cinema", diz Loureiro, com seu típico sotaque lusitano, em entrevista por Zoom ao F5.

A trama da jovem pobre que faz de tudo para dar um melhor tratamento à mãe que sofre de um tumor no cérebro estreou na Band em 18 de maio com 2,2 pontos de audiência na Grande São Paulo, o que deixou a emissora em quarto lugar, à frente da Rede TV!.

O índice é também superior ao obtido na terça anterior (11) pela reprise de "Floribella" (2005-2006), que marcou 1,2 ponto(cada ponto do Kantar Ibope na região equivale a 76.577). Nos capítulos de quarta (19) e quinta (20), a trama registrou média de 1,8 e 1,9 ponto, respectivamente.

Quem sintonizar na emissora, pode estranhar o fato de não ouvir a voz original de Carolina Loureiro e de todo o elenco. Assim como em "Ouro Verde", também portuguesa e exibida entre 2019 e 2020, a Band afirma ter feito a opção pela dublagem para facilitar "o entendimento dos telespectadores", uma vez que existe muita diferença entre o português falado no Brasil e o português de Portugal. "No entanto, existe a opção de acompanhar o áudio original pela tecla SAP", complementa em nota.

"Nazaré" foi líder de audiência na TV portuguesa na faixa das 21h, quando foi exibida pela SIC, entre 2019 e 2020. O sucesso foi tanto, segundo a emissora, que uma continuação foi realizada e transmitida até janeiro deste ano, mais uma vez, com resultados positivos. "Em 2020, 'Nazaré' foi o produto de ficção mais visto da televisão portuguesa", diz a SIC ao F5.

Escrita por Sandra Santos, a trama segue pontos clássicos do folhetim brasileiro, e chega a abusar, pelo menos nos primeiros capítulos, da fantasia. No segundo episódio, o mocinho Duarte (José Mata) é dado como morto, mas reaparece vivo bem no momento do seu enterro, para espanto de todos os presentes.

Nazaré, por sua vez, não é uma mocinha típica sofredora. Está antenada com o seu tempo. É feminista e não leva desaforo para casa. Apesar de impulsiva e de ter algumas atitudes incorretas, é no "fundo uma boa pessoa", defende a atriz Carolina Loureiro.

A atriz portuguesa Carolina Loureiro
A atriz portuguesa Carolina Loureiro - Instagram/caroloureiro

Para sobreviver e ajudar a mãe, ela trabalha como pescadora em alto-mar e vende pães de chorizo. "Os homens nunca querem que ela vá, porque dizem que as mulheres dão azar no mar ou não sabem puxar uma rede como os homens puxam. A personagem vai mostrar um bocadinho que a mulher portuguesa tem força, tem garra e é tão capaz de pôr a mão na massa como um homem", diz.

A atriz, que estreou na TV aos 17 anos e já estrelou outras produções na TV portuguesa, considera "Nazaré" o papel mais importante da carreira. De ponto em comum com a personagem, afirma ter a mesma força para ir atrás do que deseja.

"Só que a Nazaré [que é lutadora] é muito mais bruta, muito mais impulsiva que eu. Sou bem mais tranquila e relaxada", diz. As cenas físicas foram um dos desafios para Loureiro. "Eu tive que mudar o meu andar porque ela tem uma postura mais masculina. Eu sou um pouco mais feminina."

Já a parte de andar de moto, uma das características da heroína, não foi um problema. "Já sabia dirigir moto e fiquei bem contente com a possibilidade", relata. Psicologicamente, a atriz conta que também foi um trabalho desgastante em muitos momentos. "Ela passa por muita coisa. Está sempre a sofrer e a tentar resolver."

Carolina Loureiro revela que desde pequena sonhava em ser atriz e acompanhava na TV ou nos cinemas as produções brasileiras. Uma de suas inspirações é Alice Braga, que ela afirma admirar desde "Cidade de Deus" (2002). "Gosto muito do trabalho dela."

Perguntada se gostaria de gravar no Brasil, Loureira diz que esse é um sonho para todos os atores portugueses. "Já tivemos vários portugueses na TV brasileira, todos falam muito bem e adoram. Se surgir essa oportunidade, vou ficar muito feliz. Só o sotaque que é muito complicado."

A atriz brinca que mesmo com um "professor particular", em referência ao namorado, Vitor Kley, é difícil falar como brasileiro. A música "O Sol", grande sucesso do cantor, foi escolhida pela Band para a abertura da novela no país. Os dois estão juntos desde 2019. Eles se conheceram quando ela trabalhava como apresentadora em um programa de TV e foi escalada para entrevistá-lo.

Por causa da pandemia e das restrições de voos entre Brasil e Portugal, eles chegaram a ficar cinco meses sem se ver pessoalmente em 2020. "Mas não havia o que fazer, tivemos que aprender a lidar, foi com muita paciência e calma", afirma, ao acrescentar que diante de tantas mortes e dificuldades que o mundo enfrenta, não poderia reclamar.

Loureiro relata que costuma vir com frequência ao Brasil, fica em São Paulo, onde Vitor Kley mora, e costuma ir também para Balneário Camboriú, em Santa Catarina, cidade onde o músico foi criado e o lugar preferido dela em terras brasileiras. "Gosto muito de ir para lá. "

Sobre "Nazaré", a atriz diz esperar que o público se entretenha com a história. "A Nazaré é uma pessoa que vai viver muitas emoções fortes. É muito impulsiva, então, tem momentos que isso vai gerar uma parte mais cômica", relata. "Tem de tudo um pouco: dá para chorar, rir, ter raiva."

"Nazaré"

  • Quando Seg. à sex., às 20h25
  • Onde Band
Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem