Televisão

Em dose dupla na TV, Felipe Silcler destaca a importância da representatividade nas novelas

Ator interpreta Libério em 'Novo Mundo', e Cascudo em 'Totalmente Demais'

O ator Felipe Silcler como Libério em 'Novo Mundo', e Cascudo em 'Totalmente Demais' - Globo
São Paulo

Felipe Silcler, 29, pode ser visto em dose dupla na Globo. Em "Novo Mundo" (2017), ele faz o jornalista Libério. Já em "Totalmente Demais" (2015), o ator interpreta Cascudo. Embora sejam bem diferentes, o artista vê pontos em comum entre os dois personagens, como a coragem.

"O Libério usa a coragem para ajudar os seus irmãos de cor, ele é um 'justiceiro' que utiliza como arma os artigos do seu jornal e a influência que tem na corte", diz. Cascudo, por sua vez, viu na oportunidade dada pelo professor de educação física Montanha (Toni Garrido) a chance de mudar. "Me chama a atenção a coragem que ele teve para não desistir, mesmo enfrentando o tio e todos os preconceitos que vinham com o fato dele ser sobrinho desse cara mal visto no bairro", afirma Silcler.

Para o artista, outra semelhança entre os dois papéis é a importância que a educação e o esporte tiveram para a trajetória de ambos. "Sem a educação e o esporte a vida dos dois seria bem diferente!", diz.

"E eu acho que ambos os personagens trazem a representatividade negra para a cena, cada um em sua época e de sua maneira. O Libério vem com o privilégio de ter o seu lugar de fala escutado, tinha prestígio e usava o jornal para defender as suas ideias e lutar pelos seus pares. Já o Cascudo era o contrário, ele precisava de alguém que lutasse por ele. Se os dois estivessem na mesma época, o Libério lutaria para ajudar o Cascudo a ter novas oportunidades e a crescer na sociedade", comenta.

Silcler conta que muitas pessoas demoram a perceber que é ele que faz os dois personagens. "E quando percebem ficam impressionados. Eu sempre recebo esse tipo de mensagem, de pessoas surpresas que descobriram que o Libério e o Cascudo são feitos pelo mesmo ator."

O ator afirma que está passando a quarentena ao lado dos pais, no Rio de Janeiro, sua cidade natal. Apesar da ansiedade por não saber quando a pandemia vai acabar, o ator diz que uma das atividades que voltou a exercer durante o isolamento é a escrita."Estou escrevendo muito. Finalmente resolvi assumir a responsabilidade de escrever o texto do meu espetáculo, um monólogo para o teatro, que eu estava adiando há muito tempo e sempre ficava na espera de alguém para escrever para mim", conta.

Embora observe que há muitas incertezas sobre o futuro do universo cultural após a pandemia, Silcler afirma que tem esperanças de que a sociedade vai sair melhor de toda essa situação. "A arte sempre resiste a qualquer crise", conclui.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem