Televisão

Na CNN Brasil, Marcela Monteiro diz que ainda é chamada de repórter do Vídeo Show

Jornalista diz que busca novas saídas na hora do improviso, além das piadas

Marcela Monteiro Instagram/marcela_mont

São Paulo

A jornalista Marcela Monteiro, 34, estreou na CNN Brasil, há exatos dois meses, na cobertura do novo coronavírus. Com um foco bem diferente dos bastidores da TV que mostrava no Vídeo Show (Globo), ela diz que ainda se acostuma com o formato e que as piadas ainda vêm a sua cabeça na hora de improvisar ao vivo.

"No entretenimento, você usa sorriso e brincadeira. Mas agora tenho que improvisar de outra forma, não posso contar uma piada no meio de uma operação da Polícia Federal. E acontece... Às vezes passa alguém gritando na rua, cai alguma coisa, e eu penso 'tenho várias piadas, mas não posso usar nenhuma'."

Formada em jornalismo, Monteiro começou a trabalhar como repórter em 2013, no extinto Vídeo Show (1983-2019). Foram anos de entrevistas nos bastidores dos programas e invasões a estúdios de gravação. Antes disso, ela já tinha feito participação em "Malhação", como atriz, e atuado em algumas peças de teatro.

Para Monteiro, foram momentos muito felizes e que contribuíram para que ela chegasse aonde está hoje. A postura do balé, a disciplina do teatro, a desenvoltura das aulas de vídeo, enumera ela, que chegou a participar também dos programas Mais Você e É de Casa (Globo) antes de ir para a CNN Brasil.

Marcela Monteiro conta que seu objetivo desde o começo era ser apresentadora, mas não sabia como faria isso. "Não tem um curso, uma faculdade para apresentadora, então você vai tentando. Você vai para um lado, vai para outro. Até, de fato, conseguir uma oportunidade, um caminho. E esse foi o meu caminho."

Carioca, ela conta que está sempre ligada em possibilidades que possam tirá-la de sua zona de conforto. E foi assim que a CNN Brasil apareceu. Ela diz que estava em busca de coisas novas quando seu telefone tocou com o convite da emissora, que ainda não tinha estreado no país. "Conspiração do universo", brinca.

"Foram vários fatores que fizeram meus olhinhos brilharem. Nesse momento de agora, é um desafio levar notícia, bem checada, ainda mais numa época de fake news e levar um conteúdo bem checado para casa das pessoas. É um desafio, uma responsabilidade e eu me sinto muito privilegiada também."

E os desafios são vários. Apesar de já ter bastante experiência na televisão, Monteiro conta que agora é diferente. A postura, a voz e o sorriso tiveram que mudar. Também não há na maioria das vezes entrevistado ou cenário ao seu lado, e as piadas estão descartadas em caso de branco. "É você, seu texto, suas informações e pronto."

Além disso, tem o assunto: coronavírus. "É difícil também por causa da situação que a gente está vivendo. É uma pandemia, nossa geração nunca viveu nada parecido. E no Brasil a pandemia não está sozinha, tem um monte de questão política, econômica, tanta coisa junto. A imprensa se faz ainda mais necessária."

CONTANDO HISTÓRIAS

Apesar dos novos rumos, Marcela Monteiro vai demorar um pouquinho para deixar de ser a "repórter do Vídeo Show". Segundo ela, foram várias as ocasiões em que foi parada por pessoas nas ruas e em pautas, surpresas com a mudança. "É fofo, porque é sempre com muito carinho. Sou muito grata por isso", afirma.

"É bem incrível. A mudança é muito grande e as pessoas poderiam assustar, o que seria normal. Mas não está sendo assim, eu senti mais uma surpresa positiva. É legal porque entro na casa das pessoas há algum tempo e a maioria sempre fala 'boa sorte', ‘tudo de bom’, ‘vou te acompanhar’."

Apesar da empolgação com a nova casa, Monteiro diz que não deve parar por aí e que quer sempre se descobrir de outra forma, sempre contando histórias. "Nasci para trabalhar com comunicação. Na rua ou no estúdio é só um detalhe de onde vou estar", avalia ela.

"O que eu quero é isso: contar história. Às vezes uma história mais triste, às vezes uma história mais tranquila. Mas a verdade é que eu conto histórias para as pessoas, sou uma comunicadora, é o que gosto de fazer. Levar alegria e descontração para essa vida que é linda, mas a gente sabe que é cheia de desafios."

Entre esses desafios, Marcela Monteiro agora sai de casa apenas para trabalhar e criou todo um ritual para quando volta. Tudo para proteger também a mãe, com quem mora. "Claro que cada um tem sua vida, sua realidade, dentro de suas possibilidades, a gente tem que ajudar. Eu só saio para trabalhar mesmo. Amigo, por exemplo, é só com a tecnologia."

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Mais lidas