Televisão

Em 'Salve-se Quem Puder', João Badasserini fala sobre sucesso de Zezinho: 'Fofo, leve e divertido'

Ator com suposto vídeo íntimo vazado conta como pediu mulher em casamento

Zezinho (João Baldasserini) e a mãe, Ermelinda (Grace Gianoukas), na novela

Zezinho (João Baldasserini) e a mãe, Ermelinda (Grace Gianoukas), na novela "Salve-se Quem Puder" (Globo) Paulo Belote/TVGlobo

Rio de Janeiro

​Na televisão, João Baldasserini, 36, comemora o sucesso de Zezinho, personagem caipira da novela "Salve-se Quem Puder" (Globo). Na internet, ele virou Zezão, após ter sido vítima do vazamento de um suposto vídeo íntimo seu –situação que levou na brincadeira após ser abordado por jornalistas no Carnaval, quando estava na companhia da mulher, Érica Lopes.

Tanto em uma plataforma quanto em outra, o nome do ator está em alta, mas Baldasserini prefere focar apenas no sucesso das telinhas e sobre o casamento com Lopes, que aconteceu há seis meses em Indaiatuba (a 123 km de São Paulo), cidade natal do ator., e conduzida pela mãe dele, que é monja budista.

Ao F5, o ator contou que foi seu irmão quem lhe deu dicas de como deveria pedir a então noiva em casamento.Baldasserini diz que viajou com Lopes para Barra Bonita, interior paulista, juntou a família e seguiu todo o protocolo.

"Fiquei muito nervoso, porque já fiz isso em cena, mas na vida é diferente. Fomos na casa do avô dela, que era um lugar especial para ela. Juntei minha cunhada, minha sogra e meu sogro, que é bem caipirão, coloquei uma música de fundo e perguntei se ele me autorizava a casar com a filha dele. Ele ficou me olhando, sem entender nada, e resmungou um: ‘ehhh’... (risos) Ajoelhei no chão e tremia mais do que tudo para colocar a aliança nela.”

O filho do casal, Heleno, de três meses, nasceu pouco depois do casamento. O ator diz que o novo integrante da família chegou como um furacão. "Papel de pai é foda. É difícil. A gente imagina que é uma coisa, vê os outros criando e acha que pode ser fácil (...) Junto com o Heleno, veio a força do melhor que existe em mim, do melhor que tenho que ser."

O intérprete de Zezinho diz ainda que não teve uma referência muito próxima de paternidade, visto que seus pais se separaram quando ele era criança. "Meu pai foi ausente e quando encontrei com ele eu já estava maior e ele já lutava contra depressão e alcoolismo."

"Talvez eu tenha sido, até então, um João um pouco inseguro. Meu filho trouxe esse peso dessa responsabilidade de buscar o melhor para mim, me cuidar melhor, deixar de me boicotar. Tenho que me fazer muito bem, porque quero que ele tenha a melhor referência", completa.

SUCESSO DE ZEZINHO

Profissionalmente, João Baldasserini afirma estar em um de seus melhores momentos e não nega elogios a Zezinho –tipo caipira que já sonhava interpretar há tempos. Para ele, homens como o do filho de Ermelinda (Grace Gianoukas) “estão em extinção”.

"É muito bonitinho. Acabo de gravar e penso: 'Como eu sou fofo!’ As pessoas no set também acham. Ele é muito bem escrito. Mérito total do Daniel [Ortiz, autor da novela]", diz o ator.

Na atual fase da trama, Zezinho vive um romance no estilo "gato e rato" com Alexia/Josimara (Deborah Secco). Após idas e vindas, ele resolve dar uma chance às investidas de Bel (Dandara Mariana), deixando a ruiva arrasada.

Essa é a segunda parceria de Baldasserini com o autor Daniel Ortiz. Eles já haviam trabalhado juntos em "Haja Coração" (Globo, 2016), escrita também por Ortiz, em que o ator deu vida ao publicitário Beto.

"Sou suspeito para falar, mas este é o meu melhor papel na TV até hoje, pelo que estou lendo, pelo horário, pelo momento que vivemos no país. É um personagem leve e super divertido. Zezinho é um cara simples, puro, honesto, não tem essa influência da cidade grande, da maldade. É o tipo de homem que não estamos acostumados a ver hoje em dia. Ele protege as pessoas, tem uma pureza”, diz.

Para o ator, essa pureza é fruto da criação que o personagem recebeu da mãe. "Ele um homem que, teoricamente, seria um machão da roça mas a mãe dele educou ele para sempre ser respeitador com as mulheres. Ele não tem nenhuma pegada machista e vou defender isso no personagem”, acrescenta o ator, cujo próximo objetivo é conseguir um papel fixo no horário nobre da Globo.

O sotaque do personagem também chama a atenção. Em entrevista no mês passado ao programa Mais Você, de Ana Maria Braga, Baldasserini disse que o fato de ter passado a infância e a adolescência no interior, na cidade de Indaiatuba, o ajudou na construção do personagem caipira. Mas ele afirma que teve um pedido especial do autor da novela.

"O autor escreveu na sinopse: 'O Zezinho fala porrrtaaa. Carrega no 'R', João'", relatou. Para o ator, o papel é riquíssimo". "A gente quer sempre fazer um personagem com uma caraterização , com uma composição legal, diferente. Então o sotaque é uma delícia de fazer, o diretor até pede para eu dar uma segurada porque senão cai no exagero. Mas não tem como."

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem