Televisão

Record é condenada a dar direito de resposta a religiões afro-brasileiras

A Record e a Rede Mulher foram condenadas a produzir e exibir quatro atrações que contenham o direito de resposta de religiões de origem africana.

Para o juiz Djalma Moreira Gomes, da 25ª Vara Federal Cível em São Paulo, as emissoras veicularam ofensas contra crenças afro-brasileiras em suas programações. Ainda cabe recurso à decisão.

A ação civil pública contra as empresas foi ajuizada pelo Ministério Público Federal, o Instituto Nacional de Tradição e Cultura Afro-Brasileira e o Centro de Estudos das Relações de Trabalho e da Desigualdade. As entidades argumentam que religiões como o Candomblé e a Umbanda sofreram "constantes agressões" em programas transmitidos pelos dois canais.

A ação cita como exemplo trechos em que ex-adeptas da fé afro-brasileira, convertidas à Igreja Universal, são chamadas de "ex-bruxa", "ex-mãe de encosto" e acusadas de servir aos "espíritos do mal".

Pela sentença, as emissoras terão que exibir programas com duração mínima de uma hora, produzidos com seus próprios espaços físicos, equipamentos e pessoal, em horários correspondentes aos das atrações em que foram veiculadas as ofensas.

Eles deverão ser transmitidos duas vezes dentro da programação e ter pelo menos três chamadas aos telespectadores na véspera ou no dia da exibição.

Procurada, a Rede Record, que controlava também a Rede Mulher, extinta em 2007. não quis comentar a decisão.

Crédito: Rafael Andrade/Folhapress  O bispo Edir Macedo, fundador da Igreja Universal do Reino de Deus e controlador da Record, fala para fiéis durante vigília na praia de Botafogo, zona sul do Rio de Janeiro (RJ).
O bispo Edir Macedo, fundador da Igreja Universal do Reino de Deus e controlador da Record, fala para fiéis durante vigília na praia de Botafogo, zona sul do Rio de Janeiro (RJ).

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias