Nerdices

Em 'Valorant', novo game da Riot, letalidade e habilidades de agentes são destaques

Beta do jogo será aberto no Brasil nesta terça-feira (5)

Jogo 'Valorant'

Jogo 'Valorant' Reprodução/Riot

São Paulo

A Riot Games disponibiliza a partir das 10h desta terça-feira (5), na América Latina e Coreia do Sul, o beta fechado de "Valorant" (teste para o público antes do lançamento oficial), seu novo jogo de FPS (tiro em primeira pessoa) gratuito. Trata-se de um game competitivo de tiro tático que é desenvolvido há mais de dois anos e e estava disponível para teste há um mês no Canadá, EUA, Europa, Rússia e Turquia.

No jogo, duas equipes de cinco jogadores cada se enfrentam em uma batalha por 24 rodadas, usufruindo de uma mecânica de tiros precisa, arsenal amplo e mapas que podem render horas de jogo. Para melhorar a experiência dos players, são usados servidores de ponta e tecnologia "anti-cheat" ("anti-trapaças"), uma das principais preocupações dos desenvolvedores.

"'League of Legends' tem sido jogado por dez anos, e queremos o mesmo para este jogo”, diz Anna Donlon, produtora executiva do novo game, ao lembrar de outro jogo de sucesso do portfólio da Riot. Ela deu detalhes sobre o lançamento nesta sexta-feira (1º) ao lado de outros desenvolvedores durante o "bootcamp" com teste do jogo, do qual a Folha participou.

Mas qual a diferença de "Valorant" para jogos como “Counter-Strike” e “Rainbow Six”? Apesar dos movimentos e mecanismos semelhantes, o novo FPS se diferencia ao apresentar uma filmagem melhor, personagens únicos, tiros mais letais e jogabilidade consistente.

Em "Valorant", cada agente tem habilidades únicas no qual podem apresentar perfomance superior a de outros, a depender do cenário em que se encontram. Entre elas estão teletransporte, cura, criação de armadilhas mortais e parede de proteção, além de habilidades "mágicas" que se distanciam do mundo real (e dos demais games).

Neste ponto, o jogo se assemelha ao “Overwatch” –embora em "Valorant" todos os personagens tenham acesso ao arsenal de armas completo, diferentemente do concorrente. Isso significa que mesmo um personagem com poder de cura ou de defesa pode eliminar os adversários.

Com poderes sobre-humanos, os agentes podem complementar a mecânica de tiro altamente letal e precisa do jogo (várias das armas podem matar o oponente com apenas um tiro, diferentemente de outros jogos), fornecendo suporte estratégico e informações táticas.

Segundo os desenvolvedores de "Valorant", as habilidades foram criadas justamente com esta função, e não com a finalidade de dominarem o jogo. "Queríamos investir em habilidades com as quais os jogadores se importam, como tiro, movimento, conhecimento de jogo, agentes e equipes", diz um dos designer do game, Salvatore Garozzo. "Queremos garantir que, individualmente, você não dependa só da equipe para ter sucesso."

Um diferencial do elenco do game são seus agentes de diferentes origens, representando culturas e regiões diferentes. Raze é brasileira, enquanto Sage é chinesa, Sova é russo e Cypher é marroquino, por exemplo. "Queremos servir uma comunidade global de jogadores, e queremos que nossos personagens representem a natureza global dessa base de jogadores. Definir o jogo na Terra nos deu a oportunidade de criar um elenco multinacional de personagens, no qual continuaremos investindo”, diz Anna Donlon.

Ela explica que existe uma preocupação da empresa com a toxicidade no ambiente online, com a qual está comprometida em investir. "Temos várias ferramentas nas quais estamos trabalhando atualmente e financiando. Temos muito trabalho pela frente, mas estamos comprometidos com as melhorias e, pessoalmente, quero ser responsabilizada pelo progresso neste espaço. Compartilharemos planos mais específicos o mais rápido possível", afirma.

Também houve preocupação com os mapas do jogo, criados para serem "o mais convidativo possível" e permitir que o player jogue por mais tempo antes de atingir a "fatiga visual". “A filosofia que seguimos enquanto criávamos os mapas é a ideia de lutar contra o inimigo, e não contra o mapa”, diz Trevor Romlesk, outro designer do time.

“Cada mapa tem motivos fortes para existir, o que encoraja diferentes estratégias [...] Acreditamos que isso ajude a promover experiências frescas tanto para quem joga quanto para quem assiste", completa ele, ao acrescentar que o jogo ainda deve ter mudanças, a depender das necessidades demonstradas pelos jogadores.

Produtor executivo do jogo, Joe Ziegler afirma que desenvolver o game foi uma tarefa árdua, mas que a Riot continua a acompanhar de perto as reações e opiniões dos jogadores para aprimorar o game. "Passamos por muitos anos de descoberta, aprimoramento e concepção de ideias para chegar onde estamos. Ao longo do caminho, tomamos muitas decisões difíceis sobre o que queríamos que o jogo fosse, e também tivemos que retirar coisas com as quais nos importávamos, a fim de focar na criação do produto certo."

O lançamento oficial de "Valorant" está programado para acontecer ainda no primeiro semestre de 2020 na maioria das regiões do mundo. Para jogar o beta a partir desta terça (5), é preciso estar registrado na Riot Games e na Twitch, e acessar o site oficial do beta fechado.

Algumas ligas já estão sendo montadas, como a Valorant Brasil, formada por Matheus "deMO", Lucas "cad", André "diMAS", Thiago "cry0cs" e Bruno "zotie". Jay "Sinatraa" Won, ex-jogador e MPV da Overwatch League, também anunciou que fará parte do time da Sentinels, junto a Jared “Zombs” Gitlin, Shahzeb “ShahZaM” Khan e Hunter "SicK" Mims.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem