Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Música
Descrição de chapéu Rússia

Rússia classifica duas integrantes das Pussy Riot como 'agentes estrangeiras'

Nadezhda Tolokónnikova e Veronika Nikulshina foram adicionadas à lista

Nadezhda Tolokonnikova, do Pussy Riot, em show nos Estados Unidos
Nadezhda Tolokonnikova, do Pussy Riot, em show nos Estados Unidos - Sergio Flores/AFP
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo
AFP

A Rússia adicionou nesta quinta-feira (30) à sua lista de "agentes estrangeiros" duas integranes do grupo de contestação Pussy Riot e um escritor satírico de primeira ordem.

Nadezhda Tolokónnikova, uma das principais figuras das Pussy Riot, e Veronika Nikulshina, outra membro, foram adicionadas a esta lista, que já possui 111 nomes, anunciou o Ministério da Justiça.

O escritor Viktor Shenderovich, conhecido pelas suas críticas ao poder, também foi adicionado. Essa classificação obriga as pessoas e organizações a mostrá-la em todas as suas publicações.

"Esses indivíduos forneceram documentos sistematicamente a um círculo indeterminado de pessoas, recebendo financiamento do exterior", afirmou o Ministério da Justiça.

Outras cinco pessoas foram adicionadas à lista nesta quinta-feira, incluindo a jornalista Taissiya Bekbulatova e o colecionador de arte Marat Gelman.

Nadezhda Tolokónnikova faz parte das três membros das Pussy Riot condenadas à prisão em 2012 por terem cantado uma "oração punk" contra o presidente Vladimir Putin na catedral do Cristo Salvador de Moscou, performance que deixou o grupo mundialmente famoso.

Nadezhda Tolokónnikova reagiu à sua designação de "agente estrangeira" publicando uma foto nas redes sociais, com um comunicado em que declara que não pensa em cumprir com a obrigação legal de mencionar seu status em todas as suas publicações.

"Rússia será livre!", lançou.

As organizações de defesa da liberdade de expressão acusam o governo russo de usar essa ferramenta aprovada em 2012 para silenciar as vozes críticas ao poder.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem